Após notícia, pais tomam remédios para dormir

Coube a uma irmã de João Gomide, o pai de Sandra, dar a ele a notícia de que Pimenta Neves, o assassino confesso de sua filha, seria preso. O telefonema foi feito no início da noite de ontem. Pouco tempo depois, às 19h30, antes mesmo de a prisão ter sido consumada, o casal já estava dormindo, depois de uma dose de antidepressivos.

Fábio Mazzitelli, O Estado de S.Paulo

25 Maio 2011 | 00h00

 

Veja também:

linkPimenta Neves se entrega à polícia

linkNeves afirma que estava esperando pela prisão

Os calmantes são parte da rotina de João, de 72 anos, e da mãe de Sandra, Leonilda Gomide, de 74. Os dois dificilmente saem para a rua e costumam dormir mais de 12 horas por dia, segundo a empregada do casal, Clemilda Bezerra Santos, de 48. "Eles dormem às 5 da tarde e acordam às 8 da manhã. Infelizmente tem sido assim", afirmou Clemilda.

É a empregada quem cuida deles diariamente em um bairro afastado da região central de Suzano, na Grande São Paulo, para onde os pais de Sandra se mudaram há dois meses, depois da venda de uma casa no Cursino, zona sul da capital. É em Suzano também que mora o filho mais velho do casal, Nilton, irmão de Sandra. "Hoje em dia faço tudo para eles: cozinho, limpo a casa, troco fralda, ajudo no que precisam", afirma a empregada.

João Gomide, que já caminhava com um andador após ter sofrido um enfarte, quebrou o fêmur no mês passado e passou a se locomover apenas com a ajuda de uma cadeira de rodas. Um vizinho também passou a ajudá-lo com frequência, carregando-o de um cômodo para outro da casa, quando necessário.

Os cuidados com o casal de idosos são permanentes. Ontem, enquanto João e Nilda - como é conhecida a mãe de Sandra - dormiam, Clemilda terminava de arrumar a casa.

"Sei que os pais dela estão muito doentes. Até por conta de tudo o que aconteceu", afirmou o advogado da família Gomide, Sergei Cobra Arbex, em referência aos benefícios legais que deixaram Pimenta Neves solto nos últimos anos. "Imagina o assassino de sua filha sentar para conversar contigo no almoço e horas depois sair para matá-la", disse Cobra Arbex. Além do processo criminal, Pimenta Neves é alvo de outro na área cível movido pelos pais de Sandra, que cobram indenização de R$ 300 mil por danos morais.

Mau exemplo. Em agosto, quando a morte de Sandra completou dez anos, Gomide disse acreditar que a impunidade do caso estimularia novos casos de violência contra mulheres.

REAÇÕES NO TWITTER

"A Justiça que tarda já é falha."

Rogerio F. Barcelos @Rogerio_83

"Se ficar ao menos 15 semanas preso já ficarei surpreso!"

General Baco @generalbaco

"O caso Pimenta Neves é um exemplo de que as leis precisam ser alteradas, de forma a se acabar com essa indústria da impunidade."

Luiz Henrique @LHenriqueHist

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.