Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook

Após morte de cachorro, Carrefour anuncia ações para adoção e castração de animais

Rede de supermercados também anunciou 'treinamento e sensibilização' dos funcionários de todas as unidades do País

Isabela Palhares, O Estado de S.Paulo

20 de dezembro de 2018 | 12h26

SÃO PAULO - Após 20 dias da morte do cão Manchinha, no Carrefour de Osasco, a rede de Supermercados anunciou nesta quinta-feira, 20, uma série de iniciativas para amparar e reduzir o número de animais abandonados. Segundo a marca, serão feitas ações internas e externas. 

"Tão importante quanto saber reconhecer é saber melhorar", começa o anúncio do Carrefour. Entre as ações voltadas para suas lojas, a Marca diz que vai rever e aprimorar os procedimentos internos de suas lojas e produzir material de treinamento e sensibilização dos funcionários e prestadores de serviço de todas as unidades do País. 

Nas iniciativas externas, o Carrefour diz que vai coordenar mutirões de castração pelo Brasil, organizar eventos de doação de animais em suas lojas e dar suporte para a estruturação do "Pet Day" - data comemorativa que já havia sido anunciada pela marca após um grupo promover uma manifestação em uma loja de Campinas. A ideia é que na data - que será celebrada no dia da morte da cadela - sejam destinados recursos a entidades que atuam na causa animal. 

Também informou que vai fazer uma parceria com a Ampara Animal para viabilizar a produção de episódios e livros do projeto de conscientização infantil "O mundo animal de Bibi". 

Além dessas inciativas, também informou estar trabalhando com ONGs da cidade de Osasco. "Sabemos que ainda há muito a ser feito. E, por isso, esses são apenas os primeiros passos de um trabalho contínuo para contribuir para a causa animal, dentro e fora de nossas lojas", diz o anúncio. 

Caso

A Delegacia do Meio Ambiente de Osasco apontou o segurança do Carrefour como o responsável pela agressão que resultou na morte de "Manchinha". O homem, que não teve o nome divulgado, deve responder em liberdade pelo crime de abuso e maus-tratos a animais, que é considerado de menor potencial ofensivo, ou seja, mesmo que seja condenado, ele não irá para a prisão. Conforme a SSP, mais de 20 pessoas foram ouvidas durante a investigação e "foi constatada como causa da morte hemorragia provocada pela lesão sofrida". 

Ao ser ouvido, o segurança admitiu que usou uma barra metálica contra o animal, porém negou a intenção de ferir ou matar o cachorro. Relatório do Centro de Zoonoses de Osasco apontou o sangramento como causa da morte. O corpo do animal foi cremado.

 

Mais conteúdo sobre:
Carrefouranimalcachorro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.