Após matar filhas, mulher saiu para passear com cão

A corretora de imóveis Mary Vieira Knorr, de 53 anos, acusada de ter assassinado as duas filhas em casa, no Butantã, na zona oeste de São Paulo, saiu para andar com o cachorro após o crime. Segundo o delegado Gilmar Contrera, titular do 14.º DP (Pinheiros), tudo indica que Paola e Giovanna, de 13 e 14 anos, tenham sido mortas na quinta-feira,12, e a mãe foi vista passeando na sexta.

Mônica Reolom, O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2013 | 02h01

Uma amiga da família também afirmou que Mary participou da festa de aniversário de uma amiga de sua filha mais nova na quinta-feira. Os convidados acharam estranho que a mãe tenha comparecido sem as filhas. "Supõe-se que ela teve condições de acionar a polícia e não o fez", disse Contrera.

O delegado espera ouvir a acusada hoje. Mary continua internada no Hospital Universitário, onde passou por exames ontem. "Acredito que o problema financeiro fez com que ela surtasse", disse Contrera. Ela é investigada por apropriação indébita e estelionato - quatro ocorrências foram registradas neste ano. Segundo o delegado, a mulher pode ter se apropriado indevidamente de cerca de R$ 215 mil dos seus clientes.

Mary era dona da Knorr Empreendimentos Imobiliários, mas, segundo o Conselho Regional dos Corretores de Imóveis de São Paulo (Creci-SP), não há registro de corretor de imóveis em seu nome. No site da imobiliária, ela apresentava o registro do ex-marido, Marco Antonio Victorazzo, pai das meninas assassinadas. Segundo amigos das vítimas, Mary e Marco estão separados desde o ano passado.

De acordo com o delegado, Mary só não conseguiu se matar porque outra filha, do primeiro casamento, foi até a casa com o irmão, no sábado. Ao não ter resposta, pediu para uma vizinha pular o muro. Eles verificaram que a porta trancada e sentiram cheiro de gás. Ela ligou para os bombeiros, que entraram na casa e encontraram Mary na sala.

Tudo o que sabemos sobre:
Assassinatofilhasbutantãspsão paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.