Após manhã tumultuada, situação melhora em Congonhas

No País, de 551 vôos, 88 sofrem atrasos superiores a uma hora e 94 são cancelados

18 de julho de 2007 | 12h59

Após um início de manhã tumultuado, conseqüência do acidente com o vôo 3054 da TAM, ocorrido na noite de terça-feira, 17, a situação começa a se normalizar nos aeroportos do País.  Da zero hora até 9h20, de um total de 551 vôos, 88 sofreram atrasos superiores a uma hora e 94 foram cancelados, segundo a Empresa Brasileira de Infra-estrutura Aeroportuária (Infraero). A pior situação foi registrada no Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, situado próximo ao local da queda do avião. O aeroporto abriu excepcionalmente às 6h27 e está funcionando apenas com a pista auxiliar, mesmo assim com restrições. A empresa aérea BRA informou, em comunicado, que os vôos com operações de aterrissagem e decolagem previstas a partir do aeroporto de Congonhas nesta quarta-feira vão operar no Aeroporto Internacional Governador André Franco Montoro, em Cumbica, Guarulhos. O Aeroporto de Cumbica funcionou normalmente nesta manhã, de acordo com a Infraero. Apesar do aumento no movimento de passageiros por causa do acidente ocorrido em Congonhas, Cumbica não fechou nenhuma vez e não houve restrições nas operações. Desde a zero hora até 8 horas, dos 60 vôos programados, apena três sofreram atrasos superiores a uma hora. Nenhum vôo foi cancelado. O governo comunicou que decidiu suspender as obras do Aeroporto de Guarulhos em São Paulo, prevista para este mês, e só vai retomá-las em 2008. O objetivo é não sobrecarregar o aeroporto depois do acidente aéreo em Congonhas. No Rio, o Aeroporto Internacional Tom Jobim, o Galeão, funcionava normalmente, com  seis pousos apresentando atrasos. Apenas uma chegada havia sido cancelada. Duas decolagens estavam atrasadas e quatro deles foram cancelados. Santos Dumont, também no Rio, operava tanto para pousos e decolagens. No início da manhã, apenas os pousos estavam autorizados, mas a assessoria de imprensa da Infraero não soube explicar os motivos. A partir das 7 horas, houve três decolagens e uma aterrissagem. Na tarde de terça, o Santos Dumont ficou fechado em razão de um incêndio que atingiu uma obra do recém-inaugurado Terminal Dois. Não foi informada a existência de vítimas. Em Brasília, foram registrados dois vôos cancelados, um de partida e outro de chegada. Dois pousos estavam fora do horário. No Aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, em Curitiba, a situação estava mais complicada: dos 29 vôos previstos entre a meia-noite e as 9 horas, seis foram cancelados e seis estavam com atraso superior a uma hora. O Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas, interior de São Paulo, recebeu, entre 19h35 de terça e 9 horas desta quarta, 12 vôos que deveriam chegar ao aeroporto de Congonhas, mas desviaram a rota por causa do acidente. Ao menos 880 passageiros desembarcaram no interior e foram levados para a capital em 23 ônibus ou vans disponibilizados pelas companhias aéreas.  (Colaboraram Téo Takar, da Agência Estado, Tânia Monteiro, do Estadão, e Solange Spigliatti e Paulo Zulino, do estadao.com.br.)

Mais conteúdo sobre:
vôo 3054

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.