Após liberar supersalários, Câmara estuda bônus de produtividade a inativo

A Câmara Municipal criou um grupo especial para estudar o pagamento de bônus de produtividade até para funcionários aposentados. Caso a medida seja adotada pelo Legislativo paulistano, cerca de 800 funcionários que já deixaram de trabalhar poderão engordar seus contracheques em até R$ 5,7 mil por mês.

DIEGO ZANCHETTA, RODRIGO BURGARELLI, O Estado de S.Paulo

03 de maio de 2013 | 02h03

Esse é mais um ato da Casa que pode criar benesses para o funcionalismo do Legislativo paulistano. Ontem, o Estado revelou que a atual Mesa Diretora, comandada pelo vereador José Américo (PT), devolveu o direito de 55 funcionários ganharem supersalários de até R$ 27,9 mil - maiores que o teto do funcionalismo municipal, que é o salário do prefeito, de R$ 24,1 mil.

Dois desses funcionários que agora voltarão a receber vencimentos maiores que o do prefeito Fernando Haddad (PT) vão analisar se os aposentados podem ganhar gratificação por produtividade, mesmo sem dar expediente. A Mesa Diretora resolveu constituir a comissão, no começo de abril, a pedido do Sindicato dos Servidores da Câmara Municipal (Sindilex), que também tem quatro integrantes nomeados pelos sete vereadores da Mesa para analisar a demanda dos aposentados.

Procurada para explicar como seria possível mensurar a produtividade de funcionários inativos, a vice-presidente do Sindicato dos Servidores da Câmara (Sindilex), Sônia Alves, disse que "no serviço público você precisa de uma fundamentação para dizer não". Ela citou que na Receita Federal existe o pagamento da gratificação por produtividade para aposentados. "O grupo ficou de estudar se é possível. Se não for possível, não se paga." A presidência da Câmara informou apenas que não existe nenhuma decisão tomada sobre o assunto.

Empenho. A gratificação por produtividade e especialização, conhecida pela sigla Gliep, foi criada em 2007 na gestão do ex-presidente da Câmara Antonio Carlos Rodrigues (PR). Os requisitos previstos em lei para que ela seja paga aos funcionários são genéricos, como "empenho no exercício das funções" e "desenvolvimento de liderança e trabalho em grupo".

O valor do bônus pode variar de R$ 1,5 mil - para funcionários de nível básico - a R$ 5,7 mil - para quem tem curso superior. Além disso, a lei prevê que o benefício seja incorporado ao salário do servidor se ele recebê-lo por cinco anos consecutivos. Ou seja: mesmo um funcionário que deixou de ser produtivo pode continuar a ganhar a benesse.

Como é comum a incorporação dessa e de outras gratificações ao salário ao longo da carreira, vários aposentados hoje já ganham bem acima do teto constitucional previsto para o funcionalismo municipal.

Segundo a presidência da Casa, existem hoje 79 inativos recebendo acima do teto graças a decisões do Tribunal de Justiça. O número é quase o triplo dos 30 funcionários da ativa que estão recebendo supersalários pelo mesmo motivo.

Mais bônus. Outro benefício para funcionários adotado na gestão de José Américo (PT) é o pagamento do 14.º salário para os servidores que recebem o teto do funcionalismo. Esse pagamento extra foi instituído por lei em 2009 e corresponde a cerca de R$ 830, pagos a todo funcionário do Legislativo em dezembro, além do 13.º salário.

No ano passado, quem já recebia o valor máximo de R$ 24,1 mil deixou de receber esse benefício. Mas, em ato de fevereiro deste ano, a Câmara determinou o pagamento dessa quantia até para quem ganha o teto e confirmou que esses funcionários também receberão o mesmo valor no final de 2013.

A presidência informou que o pagamento já havia sido realizado entre 2009 e 2011 e se trata de verba eventual, ou seja, que está fora do limite estabelecido pela Constituição para os salários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.