Após invasão, advogado de Lindembergue Alves abandona caso

Na tarde desta sexta-feira, o seqüestrador havia recebido garantia de integridade física do Ministério Público

da Redação,

17 de outubro de 2008 | 20h31

O advogado Eduardo Lopes, que representava Lindembergue Alves, de 22 anos, que por mais de 100 horas manteve a ex-namorada Eloá, 15, como refém, abandonou o caso. Ele não explicou o motivo. Alves foi preso no início da noite desta sexta-feira, 17, quando a polícia invadiu o aparamento onde Eloá e uma amiga, Nayara, eram mantidas como reféns.  Veja também: Eloá levou dois tiros e corre risco de mortePolícia invade, reféns são levadas e seqüestrador é preso 'O que deu errado foi o tiro que ele deu na menina', diz coronel Armas de policiais e seqüestrador são apreendidas para períciaConfira cronologia do seqüestro  Seqüestro em Santo André é o mais longo registrado em SPPai de Nayara diz que foi ‘expulso’ pela PM de escolaJovem disse que ia matar ex-namorada se polícia invadir o local Galeria de fotos do seqüestro  Eloá foi atingida por dois tiros e está em estado grave. Nayara também ficou ferida. A polícia diz que decidiu invadir depois de ouvir disparos dentro do apartamento.À tarde, o assistente da Procuradoria Geral da Justiça, Augusto Eduardo de Souza Rossini, havia ido ao local do seqüestro em Santo André, representando o promotor geral da Justiça de São Paulo, Fernando Vieira. Rossini levava um documento que garante a integridade física de Alves.   O seqüestro teve início porque Alves não se conformava com o fim do namoro com Eloá.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.