ALEX SILVA/ESTADAO-29/11/2013
ALEX SILVA/ESTADAO-29/11/2013

Após incêndio, Memorial faz 25 anos sem seu auditório principal

Comemoração terá shows e eventos; com 90% da estrutura destruída, o Simón Bolívar será reformado

Mônica Reolom, O Estado de S. Paulo

17 Março 2014 | 23h59

SÃO PAULO - O Memorial da América Latina completa 25 anos nesta terça-feira, 18, com programação de shows e eventos, mas sem o seu auditório principal, o Simón Bolívar, que teve 90% da estrutura queimada após um incêndio em novembro do ano passado.

Para comemorar a data está marcado para hoje, às 18h, um show gratuito com o cantor paulista Marcelo Jeneci. No sábado, será aberta uma exposição organizada por Maurren Bisilliat e Adriana Beretta, duas das mais antigas funcionárias do Memorial, que reúne fotos, vídeos e textos sobre os 25 anos do complexo – projetado por Oscar Niemeyer.

O presidente do centro cultural, João Batista de Andrade, quer dar um novo significado ao centro a partir da agora. "São Paulo é uma megalópole cosmopolita em um País que tem pouquíssima ligação com povos latino-americanos. Temos uma cultura formada num olhar para França e os outros povos se voltam para a Espanha, então a intenção de o Memorial ser um grande centro de afirmação da ‘latino-americanidade’ não é uma obra fácil. O desafio não é brigar pelo orçamento, é dar significado à instituição", afirma.

Ele diz que quer trazer mais artistas latino-americanos ao centro e tornar o local mais popular. "Tem de ter gente na praça. Banca, comida, show, um centro cultural altamente ativo", diz Batista. "Começamos a pensar em um projeto que não envolve mais a ilusão de sermos um centro político. Somos um centro cultural com alto poder de exposição. Se conseguirmos formular esse projeto, podemos pensar em um orçamento adequado e em parcerias."

Reforma. O auditório Simón Bolívar não precisará ser demolido, segundo laudo de dezembro do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) que afirma que o local "encontra-se em condições de recuperação". O IPT está mapeando a estrutura para o restauro e, em abril, conforme previsões do Memorial, a Companhia Paulista de Obras e Serviços (CPOS), do governo estadual, abrirá licitações para contratar as empresas.

Na época em que houve o incêndio, a Prefeitura afirmou que o auditório estava com o alvará vencido desde 1993. João Batista de Andrade disse, no entanto, que tinha um documento do Departamento de Controle do Uso de Imóveis (Contru) que permitia o funcionamento.

Agora, as obras deverão ser finalizadas para a solicitação de um novo alvará. "Após a conclusão da reforma do auditório, o interessado deverá requerer o Alvará de Funcionamento para Local de Reunião. O alvará só será emitido se todas as questões legais forem atendidas", disse a Secretaria Municipal de Licenciamento, em nota.

Mais conteúdo sobre:
Memorial da América Latina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.