Após guerra de maçãs, escola de Batatais proíbe frutas na merenda

Direção do colégio municipal diz que antes de adotar a medida tentou, sem sucesso, conscientizar os estudantes; Câmara exige suspensão da proibição

Rene Moreira, Especial para o Estado

04 de outubro de 2013 | 12h52

FRANCA - A guerra de frutas entre os alunos fez uma escola de Batatais, no interior de São Paulo, mudar a merenda. Como laranja e maçã vinham virando munição nas mãos dos estudantes, a decisão foi proibir as frutas no cardápio. A medida revoltou os pais e o caso se transformou em polêmica na Câmara Municipal, que exige a suspensão da proibição.

A confusão se deu na Escola Municipal de Ensino Fundamental "Professora Esther Viana de Bologna", que fica no bairro Antônio Romagnolli, onde a proibição está em vigor e vale para os mais de 500 alunos, de até 17 anos, no período da manhã.

A direção do colégio diz que antes de adotar a medida tentou, sem sucesso, conscientizar os estudantes. Um requerimento aprovado pela Câmara Municipal pede explicações e o fim da proibição.

Tudo o que sabemos sobre:
Batatais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.