Divulgação
Divulgação

Após furto e resgate, Mônica vai para a Paulista

Estátua foi instalada neste domingo, 17, na frente do Conjunto Nacional, na Avenida Paulista, em SP

O Estado de S. Paulo

17 Novembro 2013 | 21h47

Depois de ser furtada da Rua Oscar Freire e abandonada em um terreno em Guarulhos, a estátua da Mônica produzida pelo artista plástico Lobo foi parar em um local nobre: ela foi instalada neste domingo, 17, na frente do Conjunto Nacional, na Avenida Paulista, região central de São Paulo.

Essa é uma das 50 estátuas espalhadas pela capital paulista para celebrar os 50 anos da personagem das histórias em quadrinhos. O que era uma comemoração, porém, virou caso de polícia no dia 8, quando a escultura de 1,60 metro e 15 kg desapareceu dos Jardins. A obra foi achada após uma denúncia anônima.

Esse não foi o único crime cometido contra a dentuça. Ao menos três outras estátuas foram depredadas e já restauradas, de acordo com a organização do evento. A Mônica exposta na Praça Benedito Calixto, na zona oeste, foi alvo de pichadores, assim como outras duas esculturas instaladas na Paulista.

A exposição segue até o dia 8. Depois, 20 estátuas serão leiloadas e as outras 30 seguem em turnê pelo País.  

Mais conteúdo sobre:
Mônica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.