Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Após fechar vias, motoboys protestam na frente da Prefeitura

Motociclistas, que pedem mais motofaixas, complicaram o trânsito no trajeto entre a sede do sindicato, na zona sul e o Edifício Matarazzo, no centro

Caio do Valle, O Estado de S. Paulo

28 Novembro 2013 | 09h12

Atualizado às 12h54

SÃO PAULO - Cerca de mil motociclistas, segundo a PM,  percorreram as ruas da capital nesta quinta-feira, 28, para protestar e reivindicar mais motofaixas na cidade de São Paulo. A concentração se iniciou por volta das 9h em frente à sede do Sindicato dos Motoboys paulistano (Sindimoto-SP), perto da Avenida dos Bandeirantes, no Brooklin, na zona sul. Depois de passar pela Avenida Moreira Guimarães, Avenida Paulista e a Brigadeiro Luís Antônio, causando lentidão no trânsito, o grupo chegou às 12h10 na Prefeitura.

Os motoboys pedem a volta das motofaixas (exclusivas para o deslocamento das motos), como as que existiam no eixo das Avenidas Antártica, Sumaré e Paulo VI, desativadas na semana passada pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) para a inauguração de faixas só para ônibus.

Além disso, eles querem chamar a atenção da Secretaria Municipal dos Transportes para o fato de que, com a política de inauguração de faixas exclusivas de ônibus pela cidade, as outras faixas de rolamento estão ficando mais estreitas, o que dificulta a locomoção das motos entre elas. Essa prática é irregular pelo Código de Trânsito Brasileito (CTB), mas muito comum em São Paulo.

Outra solicitação é a criação de mais estacionamentos para motofretistas e a facilitação para a obtenção do Condumoto, documento obrigatório para a prática de motofrete na capital paulista.

Além do Sindimoto-SP, uma entidade patronal, o Sindicato das Empresas de Distribuição de Entregas Rápidas do Estado de São Paulo (Sedersp), informou que participará da manifestação.

Mais conteúdo sobre:
motoboysSindimoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.