AP
AP

Após falsa ameaça de bomba, voo chega a São Paulo com quase cinco horas de atraso

Tripulação informou que seria feito um pouso não planejado por causa de um problema técnico; passageiros só souberam da ameaça mais tarde, pela internet ou por meio de familiares

Mônica Reolom, O Estado de S. Paulo

30 Março 2015 | 23h03

O voo da Turkish Airlines previsto inicialmente para pousar em Cumbica às 16h55 desta segunda-feira, 30, chegou apenas às 21h40 no aeroporto. O avião foi desviado para o Marrocos após uma suposta ameaça de bomba. Como o fato não foi confirmado, o Boeing 777 retomou o trajeto.

No aeroporto em São Paulo, a família de Jéssica Roberta Aquino, de 18 anos, estava agoniada com a espera. Ela esperava o noivo, Ahmad Jarrah, de 21 anos, que voltava do Líbano depois de dois meses. De família libanesa, Ahmad havia sido mandado para o país de origem pela mãe, que vivia no Brasil com ele, porque não aprovava o relacionamento com Jéssica. Os amigos de Jarrah fizeram uma vaquinha e compraram a passagem de volta para o rapaz.

" SRC="/CMS/ICONS/MM.PNG" STYLE="FLOAT: LEFT; MARGIN: 10PX 10PX 10PX 0PX;

 "Soube da bomba pela imprensa e fiquei em choque. A gente se fala todo dia durante várias horas e desde ontem (domingo, 29), às 14 horas, estava sem notícias dele, preocupada", afirmou Jéssica.

A jovem ficou sabendo da suspeita de bomba no próprio aeroporto, às 20 horas. Quando o voo chegou, os dois se abraçaram e ela chorou.

O empresário Joel Anderson, de 52 anos, disse que durante o voo os pilotos só explicaram que teriam de pousar no Marrocos por causa de um "problema técnico". Segundo ele, os passageiros só ficaram sabendo da ameaça de bomba pela internet, já em Casablanca, e pelo contato com os familiares. "A melhor parte da viagem é voltar para o Brasil", afirmou ele, que viajara à China fazer negócios.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.