Após discussão de trânsito, GCM atira e fere três na Grande SP

o guarda civil Celso César dos Santos, de 43 anos, foi preso em flagrante por disparo de arma de fogo e lesão corporal

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

27 Fevereiro 2015 | 18h21

SÃO PAULO - O guarda civil municipal Celso César dos Santos, de 43 anos, foi preso em flagrante após atirar e ferir três pessoas no centro de São Caetano do Sul, na Grande São Paulo, na tarde desta quinta-feira, 26. Além do inquérito policial, o GCM vai responder a processo administrativo na Corregedoria da Guarda Civil e poderá ser exonerado da corporação.

Uma vaga de estacionamento na Rua Manoel Coelho, no centro de São Caetano, teria sido o motivo da discussão que Santos travou com um taxista de 41 anos. O bate-boca começou por volta das 17h30. Durante a confusão, o GCM efetuou um disparo que acertou a orelha esquerda da vítima. Segundo a Polícia Civil, a bala ricocheteou e também atingiu um homem de 40 anos no ombro e uma mulher, de 48, na perna. O casal estava em um lanchonete.

Aos policiais militares chamados para atender a ocorrência, Santos afirmou que o disparo foi acidental e que teria sido provocado pelo própria taxista ao tentar retirar a arma presa na sua cintura. Essa versão também foi contada pela cunhada do guarda, que o acompanhava no momento da discussão.

O casal que também foi atingido, no entanto, disse aos policiais que o GCM estava exaltado e teria apontado a arma contra o taxista antes de atirar. As vítimas foram levadas para o Hospital de Emergências Albert Sabin com ferimentos leves e liberadas ainda durante a noite.

Membro da GCM há 21 anos, Santos foi indiciado por disparo de arma de fogo e lesão corporal e encaminhado para a cadeia pública da cidade. De acordo com a Guarda Civil de São Caetano, mesmo que ele venha a ser libertado, permanecerá afastado das suas funções até a conclusão do processo administrativo.

Ainda segundo a corporação, o guarda não estava no exercício de suas funções no momento da ocorrência e a arma usada é de propriedade do próprio GCM.

Mais conteúdo sobre:
Violência São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.