Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Após dia de confrontos, centro de SP amanhece tranquilo nesta quarta

Movimento na região é menor do que o comum; viaturas da PM permanecem em frente ao prédio desocupado na Avenida São João

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

17 Setembro 2014 | 11h37

SÃO PAULO - Um dia após os confrontos entre policiais militares e ocupantes do Aquarius Hotel, na Avenida São João, o clima na região central de São Paulo é de tranquilidade na manhã desta quarta-feira, 17, apesar de alguns rastro da destruição do dia anterior. O número de pessoas, porém, que circula pelo centro é menor do que o habitual.

Orelhões que foram depredados durante a confusão permaneciam inutilizáveis na Rua Barão de Itapetininga, próximo a um dos pontos do conflito. Alvo de saques e arrastões, as lojas da Claro e da Oi também não abriram as portas na manhã desta quarta-feira.

Ainda assim, a maior parte dos pontos comerciais funcionou normalmente. As Galerias do Rock e Olido, que estavam fechadas nesta terça-feira, 16, abriram.

Como o movimento no centro da cidade é menor do que em dias normais, os comerciantes reclamam do prejuízo. "Hoje, o movimento caiu 70% por dois motivos: o primeiro é que as pessoas têm receio de passarem por esta área depois do que aconteceu ontem; e também porque boa parte dos meus clientes era morador da ocupação", afirmou o jornaleiro José Oliveira, que tem uma banca na Avenida São João.

"O pessoal deve estar com medo", concordou o gerente de uma loja de malas no Largo do Paiçandu, Estevam Souza. 

Hotel. Às 10h, uma viatura e três motocicletas da Polícia Militar eram mantidas à frente do prédio do Aquarius Hotel. A segurança era para evitar que o prédio fosse reocupado. Segundo seguranças privados, os móveis, eletrodomésticos e demais pertences dos moradores foram retirados ainda nesta terça-feira do edifício. Eles disseram que havia apenas lixo nos quartos. 

Nenhuma pessoa é autorizada a entrar no prédio. Na Avenida São João, as únicas marcas do confronto eram manchas de tinta espalhadas pela via. Todos os objetos que foram arremessados pelos moradores em direção aos PMs já foram removidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.