Após dez anos, projeto de Museu Ferroviário deve sair do papel

São Paulo deveria ter, desde 2003, um museu a céu aberto de cerca de 15 km de extensão, com estações temáticas tratando de história, cultura e meio ambiente que seriam percorridas dentro de locomotivas e vagões de mais de 100 anos. Essa seria a Estrada de Ferro Perus-Pirapora, tombada na década de 1980 e cuja recuperação começou em 2001. Sem ajuda do poder público, voluntários estão reformando a linha. Metade dela deverá estar operando no ano que vem.

Diego Zanchetta e Rodrigo Burgarelli, O Estado de S.Paulo

19 de junho de 2012 | 03h03

1. Qual é a história da estrada de ferro?

Projetada no começo do século 20 para transportar calcário de Cajamar até Perus, onde funcionava a primeira fábrica de cimento do Brasil, a Estrada de Ferro Perus-Pirapora estava abandonada desde 1983, quando foi desativada. Ela foi a última ferrovia de trens leves a ser desativada no País - por isso, acumulou locomotivas e vagões históricos das outras linhas férreas que deixavam de funcionar.

2. Por que a ferrovia foi desativada?

Por causa do fechamento da usina de cimento Portland. Em 1987, a ferrovia foi tombada pelo governo estadual, mas permaneceu abandonada.

3.De quem é a ferrovia?

É de propriedade particular. Na época do tombamento, ficou combinado que apenas 15 km dos 21 km originais seriam tombados. A parte que ficou sem proteção, majoritariamente em área urbana, podia ser explorada comercialmente pelo dono. O resto foi cedido em comodato para o Instituto de Ferrovias e Preservação do Patrimônio Cultural (IFPPC) em 2001.

4. O que será feito dela?

Naquele ano, começou o trabalho de restauração dos trilhos e das locomotivas. A intenção era que, ainda em 2003, os 15 km estivessem operando parcialmente. Seis estações temáticas - cada uma voltada a assuntos como meio ambiente, cultura e história regional, por exemplo - mostrariam aos passageiros aspectos da Mata Atlântica e do Cerrado da região e como ocorreu o povoamento da primeira região com mineração de ouro no Brasil, ainda no século 16. Os passeios seriam feitos em locomotivas do fim do século 19 e do início do 20.

5. Como está o projeto hoje?

Segundo o presidente do IPCC, Júlio Moraes, uma mudança na gestão do instituto está fazendo com que as obras caminhem mais rapidamente - o aumento nos patrocínios de empresa também ajuda. A ideia é que, até o ano que vem, metade já esteja funcionando. Um pequeno trecho de 3 km está aberto à visitação todo domingo, ainda em caráter de teste. Mais informações podem ser obtidas pelo (11) 2885-2837.

A QUEM RECLAMAR

Secretaria de Estado da Cultura

(11) 2627-8000

(11) 2627-8054

(11) 2627-8055

ouvidoria@cultura.sp.gov.br

www.cultura.sp.gov.br

Ouvidoria do governo estadual

http://www.ouvidoria.sp.gov.br

Sugestões para a coluna?

MANDE DICAS E COMENTÁRIOS PARA: DIEGO.ZANCHETTA@GRUPOESTADO.COM.BR OU RODRIGO.BURGARELLI@GRUPOESTADO.COM.BR.

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
SP na Gaveta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.