Após dez anos, 30% perdem proteção, diz Fiocruz

Um estudo encomendado pelo Bio-Manguinhos, instituto que produz vacinas contra febre amarela no Brasil, trouxe um resultado diferente do exposto pela Organização Mundial de Saúde. O trabalho, da Escola Nacional de Saúde Pública, da Fiocruz, avaliou o nível de imunização de pessoas dez anos após a primeira dose e concluiu que 30% delas já haviam perdido os anticorpos.

Giovana Girardi, O Estado de S.Paulo

17 Maio 2013 | 02h04

"Apesar de na maioria continuar havendo proteção à doença, acreditamos que o recomendável é seguir vacinando em segunda dose. Ao menos em áreas endêmicas, onde não dá para correr risco", diz Arthur Roberto Couto, diretor de Bio-Manguinhos.

O instituto produz, em média, 30 milhões de doses por ano e exporta cerca de 18 milhões. Mas, segundo Couto, uma nova fábrica está sendo planejada com o potencial de suprir a demanda mundial dessa vacina em cinco anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.