Após denúncia, sala usada por assessores da CPI teve chave trocada

Suspeitos passaram a receber comerciantes em local no subsolo cedido por secretaria ligada à Presidência da Casa

Adriana Ferraz, O Estado de S. Paulo

30 de outubro de 2014 | 03h00

SÃO PAULO - A sala da liderança do PTB na Câmara Municipal, usada por assessores durante a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Alvarás, teve a chave trocada no fim de agosto. A mudança aconteceu após comerciantes relatarem terem sido notificados a apresentar documentos no local de maneira extraoficial. Apesar das denúncias, 17 dias depois, dois funcionários foram flagrados em outra sala da Casa, cedida pela Secretaria de Infraestrutura, ligada à Presidência, tentando extorquir dinheiro de um empresário.

Ambos os locais só foram usados pelo servidor municipal Roberto de Faria Torres, emprestado à Câmara durante a CPI, e pelo então assessor parlamentar Antônio Pedace, do gabinete de Eduardo Tuma (PSDB), porque havia autorização superior. No caso da sala do PTB, o aval foi dado pelo vereador Paulo Frange, líder do partido, a pedido do colega de legenda Adilson Amadeu, que solicitou os serviços de Torres. 

De acordo com Frange, a sala foi liberada para ajudar na análise de documentos e não para abrigar reuniões. “Mas, no dia 22 de agosto, fui procurado por comerciantes que haviam sido chamados a apresentar documentação nessa sala. Como ela estava fechada, eles foram ao meu gabinete. Achei estranho porque é a secretaria da CPI que deve receber qualquer tipo de documento e a notificação apresentada por eles nem parecia ser oficial.”

Os comerciantes tinham em mãos a segunda via de um pedido de esclarecimento enviado supostamente por Torres e Pedace. São esses os funcionários flagrados depois pela reportagem do Fantástico exigindo R$ 15 mil de um empresário para regularizar seu bar. Após conversar com os comerciantes, Frange avisou o presidente da CPI, Eduardo Tuma, o presidente da Casa, José Américo (PT), e o secretário-geral, Rodrigo Ravena, que decidiu trocar as chaves da sala do PTB.

Frange registrou boletim de ocorrência como forma de se resguardar. Em nota, a Presidência da Câmara informou que cedeu a sala a pedido da CPI dos Alvarás, que passou a ter “acesso exclusivo ao local”. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.