Após críticas, Prefeitura de SP faz ajustes na ciclofaixa

Trajeto antigo levava menos impacto ao trânsito; agora ciclista desce apenas uma vez da bike - antes eram dez

Vitor Hugo Brandalise, O Estado de S. Paulo,

03 de setembro de 2009 | 09h35

A Secretaria Municipal dos Transportes decidiu ajustar o trajeto da primeira ciclofaixa da cidade, que liga os Parques Ibirapuera, das Bicicletas e do Povo, ao longo de vias movimentadas da zona sul. Na avaliação de técnicos da SMT e da Secretaria Municipal dos Esportes, a proposta anterior, em vigor apenas no domingo passado, resultava em menor impacto no trânsito, mas dificultava a vida dos ciclistas.

Com os ajustes, o ciclista desce da bicicleta apenas uma vez ao longo dos cinco quilômetros do trajeto, no cruzamento da Avenida República do Líbano com a Rua Inhambu, quando deve parar na faixa e se portar como pedestre. Anteriormente, o ciclista tinha de descer e empurrar a bicicleta em dez pontos. O ciclista também não precisará mais dividir calçadas com pedestres - antes dos ajustes, três calçadas eram utilizadas.

Foram criadas também três faixas exclusivas para ciclistas , que darão acesso aos parques. Novos retornos veiculares foram fechados - são dez, no total -, ao longo das Avenidas República do Líbano, Hélio Pellegrino e Brigadeiro Faria Lima. A ciclofaixa vale aos domingos, entre 7 horas e 12 horas.

Os ajustes, segundo o secretário municipal dos Esportes, Walter Feldmann, foram decididos após a primeira experiência, no domingo. "A princípio, optou-se por diminuir o impacto viário, mas ficou claro que não era confortável", disse. Até outubro, segundo Feldmann, a ciclofaixa deve chegar à USP e, até dezembro, aos Parques da Aclimação e Villa-Lobos.

"A Secretaria (dos Transportes), sem experiência com bicicletas, entendeu na prática que ciclista não gosta de descer da bike", avaliou André Pasqualini, do movimento Bicicletada. "Aprovamos as mudanças, mas a ciclofaixa continua isolada, falta levar ao metrô São Judas."

Mais conteúdo sobre:
ciclofaixaciclistaSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.