DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO
DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO

Após ciclovias, Haddad quer ampliar calçadas

Proposta da Prefeitura é aumentar segurança de pedestres; projeto-piloto será na Liberdade

Bruno Ribeiro , O Estado de S. Paulo

19 de agosto de 2015 | 03h00

A Prefeitura estuda retirar faixas de circulação de carros de vias da cidade para aumentar a área para pedestres na calçada. Um projeto-piloto com esse novo modelo vai começara ainda neste mês na Rua Vergueiro, na Liberdade, centro da cidade. A proposta é aumentar a segurança dos pedestres.

Segundo o secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, técnicos da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) estudam como será feita a sinalização entre essa “faixa exclusiva para pedestres” e as vias destinadas aos automóveis. A faixa vai da Praça da Liberdade, passando pela Avenida Liberdade, e seguindo pela Vergueiro até a região da Rua do Paraíso.

“Não vai ter obra”, garante o secretário, dizendo que o que será feito será apenas uma mudança de sinalização. Um dos motivos é o custo dessas mudanças. Mesmo assim, Tatto afirma que essas faixas serão permanentes. “Vai funcionar 24 horas por dia”, explica.

O secretário confirmou nesta terça o início do programa na Rua Vergueiro, mas evitou citar outras vias que podem receber a mudança. Na gestão Marta Suplicy (2000 a 2004), a CET fez estudos com essa mesma finalidade prevendo intervenções na Rua Sete de Abril e na Rua Maria Antônia, também no centro, e em cruzamentos com grande volume de pedestres, como a esquina das Avenidas Ipiranga e São João.

Para a professora de engenharia Silvana Maria Zioni, da Universidade Federal do ABC, a medida reorganiza a ocupação do espaço público. “Até pouco tempo, era comum até o carro estacionar na calçada”, diz. Ela destaca que a sinalização permanente, com cones ou outros objetos para proteger o pedestre, pode ser formatada só depois de a mudança ser consolidada. “Em Nova York, as estruturas permanentes só vieram depois de adotada as medidas para priorizar o fluxo de pedestres”, explica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.