Após chuvas no interior de SP, jovem morre e famílias ficam desalojadas

Defesa Civil contabiliza estragos em General Salgado, a 545 quilômetros da capital, para decretar estado de calamidade pública

Chico Siqueira, Especial para O Estado

12 Fevereiro 2014 | 16h30

ARAÇATUBA - Uma jovem de 22 anos morreu e dez famílias ficaram desalojadas depois das fortes chuvas que caíram na noite desta terça-feira, 11, em General Salgado, a 545 quilômetros da capital paulista. A quarta-feira foi dia de limpeza e reconstrução. Enquanto equipes da prefeitura retiravam galhos e sujeira das ruas, comerciantes faziam a limpeza dos estabelecimentos invadidos pela chuva ou iniciavam a reconstrução das fachadas das lojas, destruídas pela tempestade de granizo.

Mariana Marino Teixeira morreu eletrocutada, ao tocar acidentalmente em um varal de alumínio eletrificado por fios que foram rompidos da rede elétrica pela tempestade. Ela foi encontrada caída e morta, no quintal de sua casa, na Vila Maria.

Calamidade. A Defesa Civil do município passou a quarta-feira, 12, contabilizando os estragos. "Estamos fazendo os levantamentos, mas posso dizer que foi a pior chuva da história da cidade. Acionamos a Defesa Civil para decretarmos estado de calamidade pública para que o município possa ajudar o mais rápido possível essas famílias", disse o prefeito.

Os moradores ainda estão assustados com a força da tempestade, que inundou e destelhou casas, arrastou veículos e arrancou árvores, derrubou uma torre de 35 metros de altura, e destruiu a cobertura do estádio municipal e fachadas do comércio.

 

Mais conteúdo sobre:
chuvasSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.