Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

Após atraso em voo, passageiros criam grupo no WhatsApp para mover ação

Objetivo é compartilhar fotos e vídeos que serão usados como provas; passageiros esperaram quase oito horas para decolar

Paula Felix, O Estado de S. Paulo

09 Fevereiro 2017 | 20h00

SÃO PAULO - Passageiros de um voo que faria o trecho São Paulo-Curitiba e atrasou quase oito horas para decolar resolveram criar um grupo no WhatsApp para trocar arquivos que devem ser usados em um processo contra a companhia aérea. Indignadas com os transtornos causados pelo atraso, cerca de 50 pessoas estão compartilhando fotos e vídeos da madrugada que passaram entre a sala de embarque, aeronave e ônibus até conseguir viajar. Em nota, a empresa informou que o voo precisou ser cancelado por causa das condições meteorológicas e que ofereceu assistência aos passageiros.

O voo JJ3335 da empresa Latam estava previsto para deixar o Aeroporto Internacional de Guarulhos, na Grande São Paulo, às 22h15. "Fomos transferidos para outro portão e já havia pessoas de outros voos. Os banheiros estavam lotados e idosos passaram mal. Por volta de meia-noite, fomos colocados em uma aeronave e ficamos duas horas presos nela. Avisaram que não tinha gente para completar a tripulação. Pedimos comida e falamos que não íamos descer", relata o professor universitário Mario Nazaré, de 59 anos.

Ele conta que todos os passageiros voltaram para o aeroporto e, apenas às 4h14, foi oferecido um ônibus que os levou para o Aeroporto de Congonhas de onde, por volta das 6h40, saiu um voo para Curitiba. "Consegui formar um grupo no WhatsApp. Fiz um discurso e sugeri que a gente se organizasse para processar, trocamos informações. Já temos provas e vamos entrar na Justiça na semana que vem."

Ação. Advogado de Nazaré, Fabiano Lopes diz que o objetivo é fazer uma ação individual, tendo em vista que a indenização em uma ação coletiva costuma ser menor. "A extensão do dano é diferente para cada pessoa. Tem idosos, crianças e pessoas que sofreram mais com a situação", completa.

Ele explica que o grupo tem ajudado a organizar o material que deve ser apresentado à Justiça. "O grupo é válido, porque, se uma pessoa mais cautelosa fez foto e vídeo, pode compartilhar com outra pessoa, mesmo que ela não seja a autora da prova."

Em nota, a Latam Airlines Brasil disse que o voo precisou ser cancelado por causa das "condições meteorológicas adversas e consequente tráfego aéreo no aeroporto". A companhia afirma que a medida também foi adotada para que a equipe de tripulantes "não ultrapassasse o limite de horas de trabalho previsto por lei", mas não comentou a suposta falta de funcionários para que o voo decolasse.

A companhia afirmou que prestou a assistência necessária aos passageiros e "que a segurança é um valor imprescindível e, sobretudo, todas as suas decisões visam garantir uma operação segura."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.