Polícia Militar
Polícia Militar

Após assassinato de PM, 4 suspeitos são mortos no Guarujá

Cabo José Aldo dos Santos foi executado com mais de 50 tiros de fuzil em uma emboscada na quarta-feira

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

28 Setembro 2018 | 19h12

SOROCABA - Quatro suspeitos foram mortos, nesta sexta-feira, 28, durante a ocupação pelas Polícias Civil e Militar de comunidades do distrito de Vicente de Carvalho, em Guarujá, no litoral sul do Estado de São Paulo. A ação foi desencadeada após o assassinato do cabo da Polícia Militar José Aldo dos Santos, de 49 anos, emboscado e morto com tiros de fuzil, na quarta-feira, 26

O veículo em que ele estava, um Honda Civic preto, foi atingido por mais de 50 disparos. O cabo era morador da região e estava de folga. Ele retornava para casa após levar a mulher para o trabalho. Quatro suspeitos do crime foram identificados e dois deles moram nessa região.

As mortes aconteceram durante a ocupação da comunidade de Prainha, às margens do Canal do Estuário. Conforme a PM, a operação foi desencadeada na tentativa de identificar os suspeitos do crime e por causa do alto índice de criminalidade na região.

Os suspeitos foram flagrados vendendo drogas e reagiram à prisão, segundo as informações oficiais. O ajudante de pedreiro Leandro Ramos da Cruz, de 26 anos, o estudante Vitor Giovani da Silva, de 18, e André Silvestre de Jesus, de 27, foram mortos na Vila Zilda. Com eles, foram apreendidos frascos de lança-perfume e mais de 500 porções de drogas.

Outro estudante, Luiz Eduardo da Silva, de 18 anos, foi morto no bairro Conceiçãozinha, após reagir à abordagem. Ele estava com drogas e um revólver calibre 38. Conforme a PM, a 1ª Brigada de Artilharia Aérea do Exército cedeu barracas, equipamentos e estrutura de apoio à operação.

De acordo com a Polícia Civil, ainda será investigado se os suspeitos mortos tiveram participação no assassinato do cabo da PM. A apuração inicial aponta que a execução pode ter sido motivada por sua atuação no combate ao tráfico na região. Ele vinha sendo ameaçado por traficantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.