Polícia Militar
Polícia Militar

Após assassinato de PM, 4 suspeitos são mortos no Guarujá

Cabo José Aldo dos Santos foi executado com mais de 50 tiros de fuzil em uma emboscada na quarta-feira

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

28 de setembro de 2018 | 19h12

SOROCABA - Quatro suspeitos foram mortos, nesta sexta-feira, 28, durante a ocupação pelas Polícias Civil e Militar de comunidades do distrito de Vicente de Carvalho, em Guarujá, no litoral sul do Estado de São Paulo. A ação foi desencadeada após o assassinato do cabo da Polícia Militar José Aldo dos Santos, de 49 anos, emboscado e morto com tiros de fuzil, na quarta-feira, 26

O veículo em que ele estava, um Honda Civic preto, foi atingido por mais de 50 disparos. O cabo era morador da região e estava de folga. Ele retornava para casa após levar a mulher para o trabalho. Quatro suspeitos do crime foram identificados e dois deles moram nessa região.

As mortes aconteceram durante a ocupação da comunidade de Prainha, às margens do Canal do Estuário. Conforme a PM, a operação foi desencadeada na tentativa de identificar os suspeitos do crime e por causa do alto índice de criminalidade na região.

Os suspeitos foram flagrados vendendo drogas e reagiram à prisão, segundo as informações oficiais. O ajudante de pedreiro Leandro Ramos da Cruz, de 26 anos, o estudante Vitor Giovani da Silva, de 18, e André Silvestre de Jesus, de 27, foram mortos na Vila Zilda. Com eles, foram apreendidos frascos de lança-perfume e mais de 500 porções de drogas.

Outro estudante, Luiz Eduardo da Silva, de 18 anos, foi morto no bairro Conceiçãozinha, após reagir à abordagem. Ele estava com drogas e um revólver calibre 38. Conforme a PM, a 1ª Brigada de Artilharia Aérea do Exército cedeu barracas, equipamentos e estrutura de apoio à operação.

De acordo com a Polícia Civil, ainda será investigado se os suspeitos mortos tiveram participação no assassinato do cabo da PM. A apuração inicial aponta que a execução pode ter sido motivada por sua atuação no combate ao tráfico na região. Ele vinha sendo ameaçado por traficantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.