Após acidente, SP vai adiar inauguração do Expresso Tiradentes

Trecho do 'Fura-Fila que cedeu deveria ser entregue no dia 18 de maio; Kassab não sabe quando vai inaugurar

Felipe Grandin - Jornal da Tarde,

01 de abril de 2008 | 11h21

O trecho em que as obras do Expresso Tiradentes (antigo Fura-Fila) cederam, na noite de segunda-feira, 31, não será mais inaugurado no dia 18 de maio, como estava previsto no planejamento da São Paulo Transportes (SPTrans). A informação foi confirmada nesta terça-feira, 1, pelo prefeito Gilberto Kassab, durante visita ao local. O prefeito também prometeu que ainda nesta terça a SPTrans e o Consórcio Andrade Gutierrez-Carioca farão um laudo preliminar explicando as causas do deslizamento. Veja tambémVídeo - Trecho da obra do Expresso Tiradentes desaba Acompanhe a situação do trânsito rua-a-rua  Veja rotas para fugir do trânsito na região do Fura-FilaViaduto em SP deve ser liberado ainda nesta 3ª, diz CET Parte da estrutura do piso por onde circularão os ônibus do Fura-Fila cedeu no final da noite de segunda-feira, 31, sobre o Viaduto Grande São Paulo. Ninguém ficou ferido e nenhum veículo foi atingido, no entanto, a Prefeitura precisou fazer interdições no local. Segundo Kassab, do ponto de vista da engenharia, "houve um pequeno escorregamento. A peça foi escorregando devargarzinho até encostar no Viaduto". A expectativa do prefeito é de que o local seja liberado para o trânsito atér as 17 horas. Dois guindastes ajudam nos trabalhos Caso o relatório que deverá ser apresentado pela SPTrans aponte responsabilidade do consórcio no deslizamento, o prefeito afirmou que punirá as empresas. No entanto, ele disse que ainda não sabe que tipos de sanções podem ser aplicadas contra o consórcio. "Normalmente se fala vamos esperar o laudo, mas quero uma resposta hoje (nesta terça)", falou o prefeito. Segundo o diretor de infra-estrutura da SPTrans, Pedro Pereira Evangelista, o deslizamento não deveria ter acontecido. "Não é nenhum método revolucionário dessa construção. Todos já estávamos acostumados com esse tipo de obra. Nunca vi um desiquilíbrio desses. Não é comum nessas obras", diz. O trecho que deveria ser entregue no dia 18 é de 2,8 quilômetros de extensão e foram gastos R$ 93 milhões na obra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.