Após 9 dias, polícia apura maior roubo a banco do ano em SP

Só ontem o Deic abriu o inquérito sobre o assalto aos cofres do Itaú na Av. Paulista; imagens são a principal pista do caso

Marcelo Godoy e William Cardoso, O Estado de S.Paulo

07 de setembro de 2011 | 00h00

Com nove dias de atraso, a polícia abriu ontem inquérito para investigar o maior roubo a banco ocorrido no Estado em 2011: o dos cofres do Itaú da Avenida Paulista, no centro de São Paulo. E descobriu que há vítimas que não sabiam que seus cofres haviam sido arrombados. Imagens da entrada do banco são, por enquanto, a principal pista para tentar identificar os bandidos.

O crime aconteceu entre os dias 27 e 28. Os bandidos chegaram ao banco às 23h50 do sábado. Quebraram o vidro da agência e entraram no saguão principal. Dominaram um vigia e seguiram para o primeiro subsolo, onde estavam 170 dos 2,5 mil cofres da agência. Ao todo, 151 cofres foram arrombados. Os ladrões saíram às 9h40 do domingo.

Os valores levados pelos criminosos são motivo de especulação na polícia. Há relatos de vítimas que perderam fortunas de até R$ 5 milhões. "Isso pode virar o Banco Central de São Paulo", afirma um delegado do Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic), referindo-se ao maior ataque a um banco da história do País, o furto de R$ 164 milhões do Banco Central de Fortaleza, ocorrido em 2005, que até virou filme.

Quatro pessoas procuraram a polícia ontem - uma delas foi direto ao gabinete do secretário da Segurança, Antonio Ferreira Pinto. Nesse caso, a pessoa queria saber para quem devia entregar a lista com os objetos levados do cofre que ela alugava no banco. "O banco informou a delegacia, mas o caso ficou na normalidade burocrática", diz Ferreira Pinto. O Itaú diz que não tem se manifestado sobre o roubo para proteger o sigilo dos clientes.

Ladrões na dianteira. Só anteontem o expediente com o boletim de ocorrência chegou ao Deic, enviado pela delegacia dos Jardins por malote comum usado para a entrega e troca de documentos entre os departamentos da polícia. A normalidade burocrática deu aos bandidos uma semana de dianteira sobre a polícia. "Tem um buraco no caminho", diz o delegado do Deic.

A polícia sabe que os bandidos - seriam 16 ao todo - usavam jalecos cinza como se fossem prestadores de serviço atuando na manutenção da agência bancária. O sistema de alarmes foi desligado na central de monitoramento na hora do crime. Não se sabe por que isso ocorreu.

Os bandidos estavam calmos e chegaram a pedir lanches. Isso despertou na polícia a suspeita de que tivessem apoio externo ou informações sobre o funcionamento da agência. Funcionários do Itaú já foram ouvidos. Ninguém foi preso até ontem.

Roubo no Tatuapé

Oito homens roubaram ontem à tarde a agência do Santander do Shopping Metrô Tatuapé, na zona leste. O bando escapou antes da chegada da PM. Não foi informada a quantia levada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.