Alex Silva/AE
Alex Silva/AE

Após 7 anos de espera, Brás Leme vai ganhar ciclovia

Prefeitura promete inaugurar até dezembro 3 km de via exclusiva; percurso será depois estendido até o Parque da Juventude

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

25 Outubro 2011 | 03h03

A Prefeitura promete concluir até dezembro um plano que existe há pelo menos sete anos: a ciclovia da Avenida Brás Leme, na zona norte de São Paulo. A Secretaria Municipal de Transportes projetou um percurso de três quilômetros ao longo do canteiro central da avenida - onde hoje há pista de caminhada e corrida, que será preservada.

Além disso, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) estuda criar, em parceria com a iniciativa privada, a primeira ciclofaixa de lazer da região. Com dois quilômetros, ela deve ligar a ciclovia da Brás Leme ao Parque da Juventude.

O roteiro da ciclovia na Brás Leme já era previsto pelo menos desde o Plano Regional Estratégico da Subprefeitura da Casa Verde, de 2004. A previsão inicial era de que a ciclovia ficasse pronta em 2006, assim como outras duas - nas Avenidas Inajar de Souza, com sete quilômetros, e Engenheiro Caetano Álvares, com dois.

Ciclistas da região aprovaram a medida. "Treino na Brás Leme porque tenho conhecimento de 20 anos de ciclismo. Mas o trânsito de manhã é muito pesado. Ali não tem mais gente por medo. Agora a ciclovia vai estimular o uso", elogia o competidor e mecânico de uma oficina de bicicletas em Santana, Jaílson Vieira, de 37 anos, lembrando que a zona norte é carente de espaços destinados ao ciclismo.

Propaganda. A Prefeitura quer ainda triplicar a ciclofaixa de lazer de 45 quilômetros na zona sul da cidade e criar outra semelhante na zona leste, onde o prefeito Gilberto Kassab (PSD) busca uma empresa parceira para criar uma faixa exclusiva de ciclistas de 100 quilômetros. Alternativas cogitadas pela CET são ligar o Parque do Carmo a outro espaço verde da região. A ciclofaixa poderá passar também pelo Jardim Anália Franco.

O projeto está sendo avaliado pela Comissão de Proteção à Paisagem Urbana (CPPU), órgão da Secretaria de Desenvolvimento Urbano que analisa pedidos de instalação de peças publicitárias segundo a Lei Cidade Limpa.

A presidente da CPPU, Regina Monteiro, diz que serão permitidos apenas itens móveis (que possam ser colocados e retirados durante o período da operação ciclofaixa), como totens e tendas com a logomarca do patrocinador. Estão sob análise placas de chão que marcam a quilometragem do percurso.

Na zona sul, em troca de ações de marketing aos domingos e feriados - quando a ciclofaixa de lazer está funcionando (7h às 16h) -, a Bradesco Seguros atualmente oferece serviços de reparo de bicicletas, orientadores de trânsito vestidos com a marca da empresa e o blog oficial www.ciclofaixa.com.br. Uma faixa de rolamento no asfalto, delimitada por marcações em vermelho, é reservada ao trânsito de bikes. O trajeto liga os Parques do Povo, do Ibirapuera, Villa-Lobos e das Bicicletas e a Universidade de São Paulo (USP).

GLOSSÁRIO

Ciclovia

Pista exclusiva para ciclistas, com piso colorido e sinalização de solo e placas. Exemplos: as que existem na Avenida Alcântara Machado (Radial Leste), ao longo da Linha 3-Vermelha do Metrô, e na Marginal do Pinheiros, ao lado da Linha 9 da CPTM.

Ciclofaixa de lazer

Faixas de rolamento sinalizadas para ciclistas, separadas por cones e que atualmente funcionam apenas aos domingos e feriados, das 7h às 16h.

Ciclorrota

Sinalização de solo que indica uma rota de passagem preferencial para bicicletas. Ciclistas pedalam lado a lado com veículos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.