Governo de São Paulo
Governo de São Paulo

Após 36 anos, acordo assenta 104 famílias e regulariza horto em Limeira

Área de 748 hectares era disputada pelo município, pela União e por movimentos sociais; parte do terreno vai virar aterro

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

19 de julho de 2019 | 15h55

SOROCABA - Um acordo entre a prefeitura e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), firmado nesta quinta-feira, 18, pôs fim a um litígio de 36 anos e permite a regularização das terras do Horto Florestal de Limeira, no interior de São Paulo. A área, de 748 hectares, era disputada pelo município, pela União e por movimentos sociais. Com o acerto entre as partes, o município assumirá definitivamente a posse de 85% da área (624 hectares), ficando os outros 15% (124 ha) para o Incra realizar o assentamento de 104 famílias que já vivem no local.

O horto de Limeira pertenceu à antiga Companhia Paulista de Estradas de Ferro, incorporada em 1971 pela Ferrovia Paulista S.A. (Fepasa), que mais tarde passou para o patrimônio da União. No local eram cultivados pinus e eucaliptos para fornecer dormentes à estrada de ferro. Com o abandono do local após a extinção da Fepasa, em 1983, a prefeitura baixou um decreto de desapropriação e assumiu a área, mas a União contestou a medida.

Em 2008, parte das terras foi invadida pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), que instalou no local o assentamento Elizabeth Teixeira. Entre 2017 e 2018, houve outras quatro ocupações da área, uma delas por movimentos de sem-teto, mas a Justiça determinou a saída deles. Com o acordo, o Incra vai comunicar a Secretaria do Patrimônio da União (SPU) e a Advocacia Geral da União (AGU) para a suspensão dos processos que envolvem as terras do horto.

O diretor de Obtenção de Terras e Projetos de Assentamentos do Incra, coronel Reginaldo Ramos Machado, que esteve em Limeira para a cerimônia de assinatura, disse que o fim do litígio dá tranquilidade às partes envolvidas e permite regularizar a situação das famílias.

Já o prefeito Mario Botion (PSD) considerou o acordo "histórico", pois vai permitir que o município faça investimentos com segurança jurídica na área. Segundo ele, o horto já é uma importante área para o lazer e o meio ambiente da cidade. Uma parte do terreno será usada para a instalação da terceira fase do aterro sanitário, solucionando um problema de destinação de resíduos do município. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.