Após 3 meses de obras, Copa reabre 'em forma'

Hotel mais famoso do País ficou parcialmente fechado para reforma que repaginou lobby e ambientes - sem perder luxo

ANTONIO PITA / RIO, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2012 | 03h03

Perto de completar 90 anos, em 2013, o hotel mais famoso do Rio rejuvenesce. Após três meses em reformas, o Copacabana Palace, localizado na zona sul da cidade, reabriu no sábado, 22, com novo lobby, novos móveis e ambientes, mas sem perder a aura requintada - marca de sua trajetória desde a inauguração, em 1923.

A renovação, orçada em R$ 30 milhões, só será totalmente concluída em novembro, quando também os quartos passarão por remodelagem - 60 apartamentos e 90 banheiros já passaram por reparos.

Os hóspedes fiéis e aqueles que sonham um dia conhecer as instalações do hotel podem ficar tranquilos - o luxo continua a reinar nos cômodos. As principais mudanças nas suítes estão na concepção e nos detalhes da decoração, que deram um ar mais contemporâneo ao local.

O olhar mais minucioso poderá captar as inovações nos mobiliários, como os tecidos franceses que revestem cadeiras e sofás, além dos novos tapetes, luminárias e itens de decoração com cores mais claras, linhas retas e também sóbrias.

"A reforma fez do hotel um clássico contemporâneo. A gente não quer perder a tradição nem a decoração clássica, mas agora temos mais leveza, um conceito clean", afirmou a gerente-geral, Andrea Natal.

A obra no edifício principal, tombado desde 2008, só será concluída em novembro. Até lá, o Copacabana Palace vai funcionar em regime de soft opening (abertura parcial). O projeto da reforma foi feito pelo decorador francês Michel Jouannet e a principal preocupação era a ampliação do lobby. Agora com cerca de 80% mais espaço, a entrada do Copa ganhou mezaninos, lounges, um business center e área de espera.

Do projeto original, foram restauradas a porta giratória, de madeira freijó e vidro, além da escadaria de mármore, o lustre suntuoso e o piso.

Renovação. Essa foi apenas a segunda vez que o hotel ficou fechado para reformas - a primeira ocorreu entre 1994 e 1995. Dessa vez, o prédio anexo foi mantido aberto aos hóspedes.

Antes das obras, um leilão, em julho, vendeu alguns dos móveis e objetos de decoração dos apartamentos.

As obras permitiram ao hotel se atualizar em relação à tecnologia e acessibilidade. O local passa a ter um elevador para deficientes físicos, garantindo a acessibilidade a 100% das dependências. Além disso, a partir de agora, os quartos também terão sistema de software que permite a integração de aparelhos eletrônicos e wireless.

Na mundialmente famosa fachada, que ainda está sendo restaurada, a obra modificou apenas a iluminação, que será com lâmpada de LED para destacar a arquitetura neoclássica do edifício. A fachada vai ganhar também uma marquise de vidro, para facilitar o embarque e desembarque dos hóspedes.

Para a alegria dos turistas que se contentam em fotografar a entrada do hotel, o acesso será menos poluído, sem vagas para carros.

Haverá ainda uma nova butique, com souvenirs e roupas multimarcas, aberta aos visitantes do Copa.

Venda. Sempre envolto em polêmicas e especulações sobre uma possível venda, o Copacabana Palace teve no último mês um preço estipulado. O dono da rede que o administra, James Sherwood, afirmou que o hotel poderia ser arrematado por R$ 500 milhões. A direção nega a informação e avisa que já planeja outras intervenções para os próximos anos.

"Não estamos à venda nem temos um preço. Estamos em constante renovação, as reformas nunca param e já temos planos para as próximas. Queremos reabrir o teatro e já temos um escopo do projeto", afirmou a gerente-geral.

Fechado desde 1994, o teatro está sendo planejado para receber temporadas de espetáculos e também eventos. A expectativa é de que no próximo ano as obras sejam iniciadas.

Mais conteúdo sobre:
copacabana palacearquitetura

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.