Após 2 assaltos, comprou blindado

'Tive de fazer tratamento psiquiátrico', diz vítima

Bruno Paes Manso e Laura Maia de Castro, O Estado de S.Paulo

06 Dezembro 2013 | 02h12

Depois de ser assaltado duas vezes em um intervalo de cinco dias, o dentista e modelo Caio Soeiro, de 32 anos, só anda de carro blindado em São Paulo. "No dia seguinte ao segundo assalto, comprei um blindado. Agora, não pego nem táxi", disse.

Os crimes aconteceram durante o dia na Avenida Faria Lima e na Avenida Brasil, na zona sul da capital paulista. Nas duas vezes, o modelo estava parado no trânsito quando foi abordado por um homem armado em uma motocicleta, que pedia o relógio dele. "Tive de fazer tratamento psiquiátrico. Não conseguia sair de casa, não conseguia ver uma motocicleta", afirma.

Soeiro tem o perfil de alvo preferencial nos crimes listados na pesquisa nacional de vitimização feita pela Secretaria Nacional de Segurança Pública. É homem, com ensino superior completo e ganha mais de 10 salários mínimos.

Reincidência. A pesquisa revela que 34,3% dos homens entrevistados já tinham sido vítimas, enquanto a porcentagem de mulheres é de 31,1%. Quanto à escolaridade, 43,1% das pessoas que tinham nível superior já sofreram algum tipo de crime. Esse porcentual cai para 28,3% entre as pessoas que têm ensino fundamental e 22,9% para os que não têm nenhum tipo de instrução.

Além do sexo e da escolaridade, o porcentual de vitimização também varia de acordo com a idade, a cor e a renda mensal familiar. Entre as pessoas que ganham mais de 10 salários mínimos por mês, 47,3%já tinham sido vítimas, enquanto entre as pessoas que ganham até 1 salário mínimo essa porcentagem é de 26,9%.

Para o advogado criminalista Luiz Cogan, da Comissão de Segurança Pública da OAB-SP, a concentração de crimes nesse perfil de vítima se justifica. "São pessoas que normalmente vão de carro para o trabalho, ficam no trânsito em horário de pico, e podem ter celular, dinheiro e relógios mais caros. São oportunidades para o criminoso", diz. Ele, recentemente, foi vítima de um roubo. Estava dentro do carro quando foi surpreendido no semáforo. O ladrão levou relógio e carteira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.