Após 2 anos, projeto está ''em estudo''

Monitoramento com câmeras em cemitérios, iniciado em 2008

Paulo Saldaña, O Estado de S.Paulo

17 Março 2011 | 00h00

Mais de dois anos depois de ser anunciado, o plano de colocar câmeras de monitoramento nos cemitérios públicos da cidade de São Paulo está parado. Em dezembro de 2008, sete dos 22 cemitérios foram equipados com os equipamentos - a um custo de R$ 450 mil. O objetivo era evitar furtos de lápides e placas de bronze dos jazigos.

A Secretaria de Serviços, responsável pelo Serviço Funerário Municipal, informou que está "realizando estudos técnicos" junto à Guarda Civil Metropolitana (GCM) para definir qual tipo de equipamento será o mais adequado para atender às necessidades dos cemitérios. As câmeras instaladas em 2008 não teriam se mostrado "eficazes" no monitoramento, por causa da topografia dos cemitérios.

Na ocasião, foram instaladas 90 câmeras no Araçá, no Consolação, no Quarta Parada, no Santana, no Santo Amaro, no São Paulo e no Vila Mariana. Em nota, a secretaria diz que busca um sistema que possa ser ligado à estrutura da GCM, acelerando ações contra vandalismos e furtos. No anúncio da medida, em 2008, esse objetivo já estava traçado.

Não há prazo para entrega. A secretaria informou que o custo anunciado só seria empenhado caso o sistema vingasse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.