GABRIELA BILO / ESTADAO
GABRIELA BILO / ESTADAO

Estação da Luz será reaberta nesta quinta após 10 dias interditada

Laudo constatou que, após as obras de escoramento, não há riscos aos passageiro; estação foi fechada depois de incêndio

Edison Veiga, O Estado de S. Paulo

30 de dezembro de 2015 | 17h35

Atualizada às 18h21

SÃO PAULO -  Dez dias depois do incêndio que interditou a Estação da Luz, a operação de passageiros será retomada na madrugada desta quinta, 31, a partir das 4h. O anúncio da volta do funcionamento da estação da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) foi feito na tarde desta quarta, após a Secretaria dos Transportes Metropolitanos receber aval da Defesa Civil da Prefeitura de São Paulo de que não há mais riscos aos passageiros.

Técnicos do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) estiveram no local entre 12h e 16h de quarta, realizando testes e vistorias. Eles constataram que após as últimas obras de escoramento, a circulação de pessoas pela estação está segura. Foi o terceiro laudo do IPT desde o incêndio que fechou a Luz, destruiu o Museu da Língua Portuguesa e chocou São Paulo, na tarde do dia 21.

“O mais importante neste momento é a segurança do usuário”, afirmou o secretário de Transportes Metropolitanos Clodoaldo Pelissioni. “A Luz é um entroncamento importante de linhas da CPTM e do Metrô e, a partir das 4h desta quinta, retomará o funcionamento normal.” Cerca de 300 mil passageiros circulam diariamente pelo local.

Além da retirada dos entulhos, o IPT havia pedido uma série de intervenções para fortalecimento das estruturas abaladas da estação. Entre elas, o escoramento de uma das paredes que corria o risco de cair sobre as plataformas. Classificados como emergenciais, esses trabalhos foram finalizados na manhã desta quarta, por uma equipe de técnicos da empresa Concrejato.

A retomada, entretanto, não significa que a entrada principal da estação será liberada. E a plataforma 4 permanece interditada por tempo indeterminado. Neste primeiro momento, portanto, serão utilizadas três plataformas de embarque e desembarque e os acessos à estação serão realizados pela Avenida Cásper Líbero e pela calçada da Pinacoteca, na Praça da Luz. “Isto não representará nenhum dano ao usuário”, comentou o secretário. “A plataforma 4, por exemplo, só será liberada após colocação de telas de proteção, provavelmente ainda em janeiro.”

“As alterações são necessárias por causa das obras de reparo do prédio do Museu, que ainda continuam”, informou, em nota, a CPTM. Os trens da Linha 11-Coral Expresso Leste farão o trajeto Luz-Guaianases e Brás-Guaianases, alternadamente. Já os trens da Linha 7-Rubi farão o trajeto Brás-Francisco Morato, passando pela Luz, como reforço na oferta de lugares do trecho Brás - Luz.

A CPTM ressaltou ainda que tais alterações têm o propósito de “retornar o serviço de transporte aos usuários na Estação da Luz, ao mesmo tempo que possibilita a continuidade das obras de reparação dos danos causados pelo incêndio e com expectativa de liberação o mais rápido possível do acesso principal e da plataforma 4, utilizada pelos trens da Linha 11-Coral na Estação Luz.”

A operação de transporte de cargas ainda não está liberada. “No sábado, entre 10h e 12h, técnicos do IPT devem realizar um teste visando a isto”, informou Pelissioni. Ele confirmou que a expectativa é que tal operação também seja liberada na semana que vem.

Museu. Presente no anúncio oficial da reabertura da Estação da Luz, o secretário adjunto de Estado da Cultura, José Roberto Sadek, reiterou que não há ainda um cronograma de obras de recuperação do Museu da Língua Portuguesa. “A prioridade eram as obras emergenciais, ou seja, evitar que o prédio caísse e permitir que a CPTM voltasse a operar”, explicou. “Só agora podemos planejar uma análise profunda do prédio, estudando as condições físicas e estruturais do mesmo.”

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.