Após 1 ano, médica desiste do interior de SP

"Vou abandonar meu sonho de fazer medicina de família no interior e voltar para São Paulo." A afirmação foi feita ontem pela médica Rebecca Guimarães Ribeiro de Almeida, de 29 anos, especialista em Medicina de Família e Comunidade. Em 2012, ela trocou a capital por Monteiro Lobato, cidade de 4.123 habitantes na região de Campos de Jordão, a cerca de 130 km da capital. "Estou estudando propostas para voltar a São Paulo", diz Rebecca, que entregou o pedido de afastamento anteontem.

Pablo Pereira, O Estado de S.Paulo

18 Julho 2013 | 02h49

Ela queria exercer a medicina da maneira prevista pelo recém-lançado Mais Médicos, do governo federal, que quer levar profissionais para o interior. Mas enfrentou falta de condição de trabalho e salário baixo.

Com contrato temporário emergencial de um ano, Rebecca recebe R$ 2,3 mil por mês para cumprir 20 horas semanais com uma das duas equipes do programa Estratégia da Saúde da Família (ESF). A médica da outra equipe, segundo a prefeitura, recebe R$ 8 mil mensais. De acordo com o anúncio do governo para o Mais Médicos, a bolsa deve ser de R$ 10 mil.

A médica afirmou que não tem apoio da prefeitura. "Já tive até de usar meu próprio carro para fazer visitas na zona rural porque a prefeitura não tinha veículo para levar a equipe." Na semana passada, a prefeita de Monteiro Lobato, Daniela Brito (PSB), admitiu ao Estado a falta de transporte.

Formada pela Faculdade de Medicina de Santo Amaro, em São Paulo, e com residência na Faculdade de Medicina do ABC, Rebecca mudou de vida para ir para o interior. "Escolhi vir para Monteiro Lobato, com casa e marido. Quando saí de São Paulo, todo mundo torceu o nariz. Mas eu acreditava que poderia ter sucesso. Infelizmente, não aguento mais."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.