Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Após 1 ano, alça da Ponte Orestes Quércia não está pronta

Falta de uma das alças deixa o viaduto ocioso e com o tráfego abaixo do previsto

Diego Zanchetta e Rodrigo Burgarelli - O Estado de S. Paulo,

29 Outubro 2012 | 22h35

SÃO PAULO - Após quase dez meses de atraso, a Ponte Governador Orestes Quércia, na Marginal do Tietê, foi inaugurada em julho do ano passado. A obra custou R$ 85 milhões e era a última que faltava para a conclusão do chamado Complexo da Nova Marginal. Mais de um ano depois, porém, uma das alças que faltam para completar a ponte não tem nem sequer previsão para ficar pronta. Por isso, o viaduto permanece ocioso e com o tráfego abaixo do previsto.

1. Por que o governo estadual resolveu construir a Ponte Governador Orestes Quércia?

A ligação fazia parte do Complexo da Nova Marginal, que englobava também a ampliação do número de pistas que foi inaugurada em março de 2010, durante o mandato do ex-governador José Serra (PSDB). Ela liga a Avenida do Estado à pista central da Marginal do Tietê, no sentido Rodovia Castelo Branco, ao lado do Anhembi, na zona norte. Foi batizada de Orestes Quércia em homenagem ao ex-governador de São Paulo (gestão 1987-1991).

2.Por que a ponte não foi inaugurada completa?

Quando foi aberta ao tráfego, em julho de 2011, faltava ainda uma ligação para o bairro do Bom Retiro, na região central, que estava prevista no projeto executivo. Essa alça não havia ficado pronta porque havia desapropriações de imóveis pendentes, segundo a Desenvolvimento Rodoviário S.A. (Dersa) - empresa de capital misto ligada ao governo que foi responsável pelo empreendimento.

3. Um ano depois, a alça ainda não foi feita?

Não. E, além disso, nem sequer existe previsão de quando essas obras vão começar. Segundo a Secretaria de Estado de Transportes, ainda falta a desapropriação de imóveis no entorno da ponte, o que deveria ter sido feito pela Prefeitura. Já a administração municipal afirma que está dando continuidade à desapropriação. Enquanto isso, a saída para a alça continua bloqueada e visível para quem passa pelo viaduto.

4. Quais são as consequências da falta da alça?

Além de dificultar a vida de quem trafega pelo Bom Retiro, a falta da alça faz com que o viaduto fique subutilizado durante boa parte do dia. Reportagem do Estado publicada no ano passado mostrou que a ligação recebia apenas 10 mil carros por dia - metade da demanda prevista. Enquanto isso, a Ponte das Bandeiras, logo ao lado, fica travada nos dois sentidos diariamente.

5. Quais são as outras razões para a baixa utilização da ponte?

Segundo especialistas, o alto tempo de espera nos semáforos da Avenida do Estado também atrapalha.

A QUEM RECLAMAR

Prefeitura de São Paulo

http://sac.prefeitura.sp.gov.br

Ouvidoria Geral do Município

(11) 0800-175717

(11) 3334-7132

Governo de São Paulo

ouvidoria@casacivil.sp.gov.br

(11) 3337-5463

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.