Apolinário critica distribuição de gel lubrificante durante Parada Gay

Apolinário critica distribuição de gel lubrificante durante Parada Gay

Na última quarta, líder da bancada do DEM havia dito em plenário que administração municipal transformou gays em 'uma categoria especial de pessoas'

Eduardo Roberto, do estadão.com.br

26 de maio de 2010 | 20h04

SÃO PAULO - O vereador Carlos Apolinário, líder da bancada do DEM na Câmara de São Paulo, partido do prefeito Gilberto Kassab, fez duras críticas à Secretaria de Saúde, que irá distribuir 16 mil sachês com gel lubrificante durante a semana da Parada Gay. Na última quarta-feira, 19, o vereador disse em plenário, com transmissão ao vivo pela TV Câmara, que o governo municipal transformou os gays em "uma categoria especial de pessoas", comentando sobre a criação da primeira central de informações turísticas para o público GLBT do País.

 

Nesta quarta, Apolinário questionou a relevância da distribuição do lubrificante. "Esses géis-lubrificantes são usados para curar dor de cabeça, para curar dor do pé, dor do ouvido? Para que são usados esses géis-lubrificantes?", questiona o vereador, que também é líder da bancada evangélica da Câmara. "Por que a Secretaria da Saúde não distribui remédio para diabéticos? Por que não distribui remédio para as pessoas que têm pressão alta?".

 

O parlamentar chegou a ironizar a situação, convidando os vereadores médicos para explicarem a finalidade do gel: "Temos aqui médicos que estão nos ouvindo que talvez possam me explicar exatamente o uso desse gel. Nós temos vários médicos na Casa que poderiam me explicar para quê serve esse gel lubrificante."

 

No discurso, o vereador também acusa a prefeitura de deslocar R$ 20 milhões em obras de reurbanização de favelas para a São Paulo Turismo (SPTuris), que seria usado para cobrir gastos com propaganda e divulgação da Parada Gay. "Seria um absurdo tirar dinheiro da reurbanização de favelas para gastar com a Parada Gay em São Paulo! São 20 milhões de reais e mais o gel lubrificante que, espero, algum vereador médico faça uso da palavra e nos explique o seu uso", criticou o vereador.

 

De acordo com a SPTuris, a Parada Gay costuma receber cerca de 400 mil turistas por ano, além de movimentar entre R$ 180 milhões e R$ 190 milhões na cidade. Neste ano, o evento será em 6 de junho.

 

A reportagem não conseguiu contato com o vereador para comentar o discurso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.