Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Aplicativos viram alternativa de estudo para o Enem

Ideia é auxiliar os alunos na hora de se preparar para a prova, que neste ano será realizada nos dias 8 e 9 de novembro

FABIO ROSSINI, O Estado de S.Paulo

10 Agosto 2014 | 02h02

Com a constante presença do smartphone no cotidiano do estudante, programadores estão apostando no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para a criação de aplicativos voltados para a educação. Com exercícios e jogos, eles viraram uma opção alternativa de estudo.

Entre esses aplicativos, está o LinguaLeo, desenvolvido para a prática e aprendizado de inglês e que tem uma novidade direcionada para os estudantes que vão prestar o Enem, nos dias 8 e 9 de novembro. Seus criadores desenvolveram o Enem Simulation Program, recurso baseado nas questões das edições anteriores da prova. O aplicativo está disponível para iOS, Android e Windows Phone, mas o recurso do Enem está disponível apenas no site do LinguaLeo.

O curso móvel começa com as cinco perguntas de inglês da edição 2010 do Enem. Se o usuário acertar pelo menos 80% das questões, ele tem acesso à lição 2. Em seguida, são apresentadas as cinco perguntas da avaliação de 2011 e, depois, a prova de 2012. No final de cada lição, o aluno recebe uma avaliação.

Educação e diversão. "É preciso entender bem a fronteira entre educação e entretenimento, para que o aplicativo seja divertido, mas não puramente um jogo online", afirma Ana Merighe, diretora de Desenvolvimento de Mercado do aplicativo no Brasil.

A designer gráfica Mariana Haddas, de 20 anos, acredita que a maior vantagem desses aplicativos é a mobilidade. "O que mais gosto é que posso aproveitar alguns momentos, como quando estou parada no trânsito, para estudar", diz.

Outro aplicativo específico é o Enem 2014, que tem diversas matérias como opções para simulados. As perguntas são retiradas de edições anteriores. O aplicativo apresenta a resposta certa em seguida e tem uma opção de estatísticas. Nela, é possível ver o número de acertos e erros - uma oportunidade para melhorar o desempenho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.