Apenas 18 vereadores vão à 1ª sessão da Câmara nos bairros

Criado com intenção de reproduzir sessão plenária nas áreas das 32 subprefeituras, projeto não alcançou nº mínimo de parlamentares para simular um processo de votação, que exige 28 nomes no painel

Adriana Ferraz, O Estado de S. Paulo

10 de março de 2015 | 22h37

Anunciado pelo atual presidente da Câmara Municipal, vereador Antônio Donato (PT), antes mesmo de sua eleição, o projeto Câmara no Seu Bairro teve início sábado, 7, em Campo Limpo, na zona sul, com a presença de 18 dos 55 parlamentares. Criado com a intenção de reproduzir uma sessão plenária nas áreas das 32 subprefeituras, o projeto não alcançou o número mínimo de vereadores para simular um processo de votação, que exige 28 nomes no painel.

Realizado no auditório do CEU Campo Limpo, o evento teve ampla divulgação. Uma campanha lançada pela Casa ao custo de R$ 5 milhões divulga há mais de 20 dias as datas dos primeiros encontros e convoca a população a participar. No sábado, segundo a assessoria da Câmara, cerca de 600 pessoas marcaram presença.

Ao lado dos moradores, estavam: Aurélio Nomura (PSDB), Alfredinho (PT), Adilson Amadeu (PTB), Aníbal de Freitas (PSDB), Conte Lopes (PTB), Eliseu Gabriel (PSB), Edir Sales (PSD), Gilson Barreto (PSDB), José Américo (PT), José Police Neto (PSD), Jair Tatto (PT), Juliana Cardoso (PT), Mário Covas Neto (PSDB), Marquito (PTB), Reis (PT), Toninho Paiva (PR) e Valdecir Cabrabom (PTB), além de Donato.

Apesar de o número de vereadores representar apenas um terço do total, o presidente considerou a participação dos colegas boa. “Esperava um número menor, já que boa parte dos vereadores tem uma base regional. Por isso, é natural que eles participem de eventos em suas regiões. Eu, por exemplo, não lembro de uma audiência pública fora da Câmara com mais de dez vereadores. Mas é evidente que estamos estimulando essa participação. Acredito que os 55 vereadores vão participar de várias dessas sessões ao longo do ano”, afirmou. Segundo Donato, a ideia de simular uma sessão plenária nos bairros deu lugar a um modelo de audiência pública que visa a proporcionar a participação dos parlamentares e da população.

Cultura. As demandas recebidas no evento serão agora estudadas pela Câmara e repassadas aos órgãos responsáveis, como as secretarias municipais. Parte dos pedidos, no entanto, deverá ser tratada pelos próprios vereadores, como as questões que dizem respeito ao zoneamento ou ao orçamento.

Representando o prefeito Fernando Haddad (PT), o secretário de Relações Governamentais, Alexandre Padilha, informou no local que os secretários também deverão começar a rodar os bairros. “Isso aqui vai mudar essencialmente a cultura de cidadania. Essa foi apenas a primeira sessão, e as pessoas começarão a se acostumar com esse clima de aproximação de suas demandas com os vereadores. A Prefeitura também vai fazer algo semelhante”, disse o ex-ministro da Saúde. A próxima edição da Câmara nos Bairros será neste sábado, às 9h30, em São Miguel Paulista, na zona leste. 

Tudo o que sabemos sobre:
Câmara Municipal de São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.