Apartamento havia sido cenário de outra morte

Os gritos do boliviano Alex Pedraza acordaram muita gente no Complexo Parque dos Sonhos. Quem foi à janela, conta ter visto o homem, usando roupa branca, repetindo a palavra "não" várias vezes.

Artur Rodrigues, O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2013 | 02h01

A família de Dina Vieira era discreta. "Muitos falam que se mudaram há três dias, mas eles estavam aqui há mais de um mês", disse Edgar Alves, de 30 anos, síndico de um dos prédios.

O apartamento em que a família vivia, de dois quartos, medindo cerca de 50 metros quadrados, já era conhecido por muitas das famílias que vivem no condomínio. É que o local já havia sido cenário de outra morte recentemente. "Há uns meses, o rapaz que morava lá morreu, mas foi de enfarte", contou Alves.

O fato de as viaturas estarem paradas na frente do mesmo apartamento surpreendeu os moradores. "Eu vi os bombeiros, as sirenes e um barulho de choro", contou o projetista Emilson Dias, de 36 anos, que mora em frente.

Como era possível ver pela janela as crianças seminuas, a primeira versão que correu pelo prédio foi de que se tratava de um caso de estupro.

Moradores foram até o local para tirar fotografias do apartamento das vítimas. Alguns foram até o lado de fora, onde se concentrava a imprensa, na tentativa de vender as imagens por R$ 50.

As cenas de Alex Pedraza entrando e outras feitas pelo circuito interno de câmeras foram entregues à polícia.

Tudo o que sabemos sobre:
MorteFerraz de Vasconcelos4 filhos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.