Apartamento de 42 m² pode sair por R$ 3 mil

Com parcela mínima de R$ 25 por mês, famílias contempladas pelo programa Minha Casa Minha Vida Entidades podem adquirir um apartamento de 42 metros quadrados por R$ 3 mil ou, no máximo, R$ 9,6 mil, divididos em 120 prestações. Pelas regras do programa, o subsídio do governo pode chegar a R$ 73 mil por unidade entregue.

O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2013 | 02h07

A partir de uma parceria firmada em janeiro de 2012, o governo estadual, por meio do Casa Paulista, oferece um aporte de R$ 20 mil, a fundo perdido, por moradia entregue. O valor ajuda a elevar o teto do custo construtivo e a viabilizar o Minha Casa Minha Vida no Estado.

Hoje, o limite de renda de um beneficiário do programa não pode ultrapassar R$ 1,6 mil mensais. A principal reivindicação de lideranças de entidades gestoras do programa na capital é de que esse valor seja alterado para 3 salários mínimos - o equivalente a R$ 2.034.

"Hoje, muitas pessoas definidas como beneficiárias acabam depois tendo suas indicações rejeitadas pela Caixa (Econômica Federal). Só na nossa entidade nós tivemos 36 indicados com cadastro rejeitado", conta Antonia Fernandes, da Associação dos Moradores do Jardim Comercial.

Teresinha Gramacho, da Associação Anjos da Paz da Vila Santista, faz a mesma defesa. "Muita gente com anos de luta no movimento tem ficado de fora por causa desse limite baixo." / A.F. e D.Z.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.