Reprodução
Reprodução

Ao som de Michael Jackson, PM dançarino faz sucesso nas redes sociais

Com direito ao tradicional 'moonwalk', apresentação foi gravada durante um show da banda da corporação em um batalhão na capital paulista

Alexandre Hisayasu, O Estado de S.Paulo

23 Agosto 2016 | 08h54

SÃO PAULO - Um vídeo que circula nas redes sociais mostra um lado pouco conhecido da Polícia Militar de São Paulo. Uma banda toca o sucesso Thriller, de Michael Jackson, ao vivo em um quartel da PM da capital. No meio do público, um policial se empolga e começa a dançar como o ídolo pop. Foi um sucesso.

O policial fardado imita os passos de Michael Jackson com perfeição. No meio do vídeo, ele faz até o tradicional "moonwalk" enquanto os músicos da banda, todos policiais militares, mostram-se surpresos com a atuação do PM dançarino.

Em nota, a Polícia Militar informou que as apresentações musicais da banda da corporação fazem parte de um projeto piloto. "A ação tem como objetivo valorizar o policial militar por intermédio de recepção musical na troca de serviço e/ou liberação daqueles que cumprem o expediente administrativo, prestigiando os agentes com músicas em momentos inusitados durante intervalos de seu trabalho profissional", informou.

"Além disso, a banda da PM realiza apresentações musicais em pontos estratégicos da cidade, a fim de demonstrar ao público outra faceta da Polícia Militar."

Fortalecimento da marca. Esta não é a primeira vez em que a PM usa as redes sociais para se aproximar da população e fortalecer uma imagem positiva. Uma campanha no Instagram oficial da corporação reuniu fotos de artistas e atletas famosos com uma placa branca, gravada com o logotipo da Polícia Militar e o slogan #PodeConfiarPMESP.

Participaram da ação o atual técnico da seleção brasileira, Tite, o goleiro Fernando Prass, o ex-jogador Cafu, os apresentadores José Luiz Datena, Sabrina Sato, Mamma Bruschetta e Carlos Alberto de Nóbrega, além dos cantores Luan Santana, Anitta e Ana Carolina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.