Ao menos três pessoas são mortas e duas feridas durante a noite na Grande SP

Em Moema, um policial militar reformado foi morto em uma tentativa de assalto; em dois casos, assaltantes com armas de brinquedo foram baleados

Juliana Deodoro, O Estado de S. Paulo

11 Janeiro 2013 | 11h34

SÃO PAULO - Ao menos três pessoas morreram baleadas e duas ficaram feridas entre a noite de quinta-feira, 10, e a madrugada desta sexta, 11, em São Paulo e na Região Metropolitana. Em dois casos, assaltantes com armas de brinquedo foram atingidos.

No bairro de Campo Grande, na zona sul, um policial militar de folga e armado estava saindo de seu carro em um supermercado quando foi abordado por dois criminosos armados. O policial reagiu e disparou contra os bandidos. Um deles morreu no estacionamento e o outro fugiu ferido em um carro roubado. Ele foi acompanhado por outros policiais que conseguiram abordá-lo e prendê-lo.

Na Vila Madalena, zona oeste, um policial civil passava em frente à sorveteria na Rua Paulistânia quando percebeu a tentativa de assalto. O policial deu voz de prisão e o suspeito apontou a arma contra ele, que atirou. A arma do suspeito era de brinquedo. Ele chegou a ser atendido, mas não resistiu e morreu. O caso está sendo investigado pelo Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP).

Na Avenida Nove de Julho, no Jardim Paulista, um menor de 14 anos tentava assaltar um motorista, que reagiu. O jovem portava uma arma de brinquedo e o homem não foi identificado.

Em Moema, zona sul, o policial militar reformado Edison Luís Camargo foi morto em uma tentativa de assalto na Alameda dos Guaramomes. Ele estava dirigindo quando foi abordado por dois criminosos. O PM, que estava armado, reagiu e foi atingido. Ele foi levado para o Pronto-Socorro de São Paulo, mas não resistiu e morreu.

Mais conteúdo sobre:
mortos, são paulo, violência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.