Antigo dono diz que deu escritura aos compradores

O Estado tentou, por duas vezes, falar com funcionários do valet, mas eles se recusaram a dar declarações ou explicar se têm autorização para atuar no prédio. A reportagem também procurou representantes da Cosenza e da Construtora Comercial e Industrial, por meio de endereços informados pelas construtoras na Junta Comercial de São Paulo e pelo advogado que representou a Cosenza em ações judiciais recentes. Sem sucesso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.