Antena causou curto e explosão no ABC, acredita delegado

Queda provocou curto circuito e, em seguida, começaram pequenos estouros na loja, seguidos de explosões

Renato Machado, O Estado de S. Paulo,

28 de setembro de 2009 | 16h53

Uma antena provocou um curto circuito e causou a explosão que matou duas pessoas em uma loja de fogos de artifício em Santo André, na quinta-feira, 24, acredita o delegado titular do 3ºDP de Santo André, Alberto José Mesquita Alves. O delegado afirma que as investigações apontam que a antena caiu em um fio que passava sobre a loja. A queda provocou um curto circuito e, em seguida, começaram pequenos estouros dentro da loja, seguidos de duas explosões grandes.

 

Veja também:

link No Orkut, fotos de fogos armazenados na loja que explodiu

mais imagens Galeria com fotos do acidente

mais imagens Foto mostra antes e depois da explosão

especialExplosão e tragédia - acidentes na última década

som Moradora de Santo André fala da explosão em loja

video Vídeo - Repórter fala da explosão em Santo André

especialTem relatos, fotos ou vídeos da tragédia? Mande para o Estadão no twitter

 

O empresário Sandro Luiz Castellani, de 41 anos, e a mulher, Conceição Aparecida Fernandes, se apresentaram à polícia no 3ºDP em Santo André, e depois falaram à imprensa. Castellani negou que armazenava grande quantidade de explosivos na loja. Ele disse que não tem documentos comprovando que ele comprava os fogos diretamente dos fornecedores.

 

A mãe do dono da loja, Sônia Maria Castellani de 63 anos, ficou ferida na explosão. Ela teve alta na sexta-feira, 25. Ela foi internada com sintomas de arritmia cardíaca e com queimadura superficial no globo ocular direito, está com quadro estável e já teve alta.

 

A loja de fogos de artifício explodiu e provocou a morte de duas pessoas. A explosão aconteceu às 12h32, e provocou um tremor que pôde ser sentido num raio de 1,5 km. Cem pessoas ficaram desalojadas. Os bombeiros encerraram a procura por vítimas às 20h30. Quatro residências foram destruídas e outras 30 tiveram vidros quebrados, portas arrancadas e rachaduras. Caso os imóveis vistoriados não apresentem riscos de desabamento, eles serão liberados para os moradores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.