Anotações pessoais dão base à investigação

Inquérito do Cade já tem mais de mil páginas e se baseia em memorandos e e-mails trocados entre executivos

Bruno Ribeiro, Marcelo Godoy, O Estado de S.Paulo

09 de agosto de 2013 | 02h04

E-mails, memorandos e anotações pessoais são as principais fontes do inquérito do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para reconstruir a suposta atuação do cartel dos trens no País. São 1.037 páginas em seis volumes que se debruçam principalmente sobre seis ações ocorridas entre 1998 e 2008 em São Paulo e um no Distrito Federal - proporcionalmente, o último é o caso que ocupa o maior número de páginas. O cartel só acabou derrotado em uma concorrência.

Dirigentes do PSDB tiveram acesso ao inquérito e criticam o foco da investigação em São Paulo, já que as correspondências entregues ao Cade pelos ex-executivos da Siemens mencionam projetos e licitações metroferroviárias em Goiás, Rio, Salvador, Recife, Fortaleza, Rio e Belo Horizonte.

Não há, entretanto, indícios nos documentos de que o cartel tenha atuado também nesses projetos. Os então executivos da Siemens citam os casos em análises e interpretações sobre a situação do mercado, a atuação de outras empresas e sobre os problemas políticos entre o governo federal e a oposição.

Esse é o caso do e-mail de 1.º de setembro de 2006 enviado por Everton Rheinheimer a Newton José Leme Duarte. Ao tratar da ação do cartel para obter o contrato de manutenção de trens no Distrito Federal, Rheinheimer passa a discorrer sobre as dificuldades enfrentadas pela Siemens para dar andamento ao contrato do metrô de Salvador. Além da ação do Tribunal de Contas da União (TCU), o PT teria interesses políticos em defender o cancelamento da obra - na época, o partido, por meio do candidato Jacques Wagner (PT), tentava tirar o governo baiano do DEM.

"Infelizmente desde que o PT assumiu o poder em Brasília, os projetos Metrosal (Salvador), Metrofor (Fortaleza), Metrorec (Recife) e Riotrilhos (Rio) têm sido alvo de disputas políticas entre o PT e a oposição." Em outras mensagens, os executivos falam dessas obras. Os e-mails, na maioria, têm como assunto principal a ação do cartel na Linha 5-Lilás do Metrô de São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.