'Anexo' do Parque da Independência terá auditório

Área que estava em disputa judicial foi adquirida pela Prefeitura por R$ 18 milhões; com 26,5 mil m², espaço ganhará playground

BÁRBARA FERREIRA SANTOS, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2013 | 02h04

A Prefeitura comprou uma área que estava em batalha judicial desde 2006 no Ipiranga, na zona sul de São Paulo, e vai aumentar em um sexto a área do Parque da Independência. O terreno pertencia ao Instituto Bom Pastor e foi desapropriado por R$ 18 milhões. No local será construído um auditório e uma arena para shows.

Com o projeto de ampliação, aprovado no Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat), o parque ganhará 26,5 mil metros quadrados - a área atual é de 161,3 mil m². O complexo vai ganhar uma entrada pela Rua Bom Pastor, com um centro de apoio ao turista.

Além do espaço para shows, o anexo do Parque da Independência vai ter áreas de descanso com decks de madeira, playground e equipamentos de ginástica. No terreno também serão construídas pistas de skate. Todos os dias, jovens skatistas descem o corredor central do parque para praticar manobras. O estudante Gustavo Henrique Ferreira, de 17 anos, diz que as pistas vão suprir uma falta de estrutura para o esporte no bairro e melhorar a convivência entre os frequentadores. "Vai ficar mais seguro para quem vem só para visitar e para a gente que quer andar."

O terreno, hoje baldio e cheio de mato, está cercado pela Prefeitura desde 2010. Naquele ano, as obras de ampliação foram iniciadas, mas tiveram de ser paralisadas em 2011 por causa da descoberta de um antigo muro remanescente de uma das edificações do instituto. O Departamento de Patrimônio Histórico da Prefeitura (DPH) encontrou no local outros objetos considerados significativos para o patrimônio municipal, como fragmentos de ladrilho hidráulico.

Uma nova proposta, que inclui a preservação da estrutura, foi enviada ao Condephaat e ao Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp).

Além do muro, será preservada a Capela Bom Jesus do Horto, que abriga a Igreja Católica Ortodoxa da Anunciação, conhecida como Igreja dos Russos e que abrigava famílias refugiadas da 2.ª Guerra Mundial. A Casa do Grito, que faz parte do parque, ganhará trilhas novas de acesso, mas, segundo a Secretaria do Verde e Meio Ambiente, "não haverá reforma na edificação".

A ampliação continuará quando oficialmente o Condephaat retornar o processo para a prefeitura, mas "não há previsão para reinício das obras". Os frequentadores esperam que o trabalho seja concluído logo. "É um patrimônio que até hoje não está sendo cuidado com carinho. Falta mais empenho e as obras precisam começar", afirmou o técnico de logística Nadiel Cirilo, de 41 anos, que mora ao lado do Parque da Independência. Já Sheila Ruiz, de 32 anos, que todo dia atravessa o parque para levar a filha na escola, diz que a incorporação da área ao parque é uma vitória dos moradores. "O destino desse local seria a especulação imobiliária, mas os vizinhos se uniram e conseguiram que ela fizesse parte do parque."

O terreno faz parte da história do bairro. No século 19, funcionaram na área uma escola de moças e um abrigo de órfãos. Nos anos 1970, foi vendido para a Construtora Gafisa, que demoliu todas as edificações e desde então ele está desocupado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.