Andrea Matarazzo discute com manifestantes do 'Ato pró-Pinheirinho'

Em nota, secretário da Cultura do Estado disse que 'jamais esperava que politizassem o evento'

Estadão.com.br,

28 de janeiro de 2012 | 13h21

Texto atualizado às 21h26

 

 

SÃO PAULO - O secretário da Cultura do Estado de São Paulo, Andrea Matarazzo, discutiu com manifestantes do 'Ato pró-Pinheirinho' em frente ao Museu de Arte Contemporânea (MAC-USP), cuja nova sede foi inaugurada neste sábado, 28. Houve confusão entre pessoas que defendiam o secretário e participantes do ato.

Os manifestantes protestavam contra a violência empregada durante a ação de reintegração de posse do terreno do Bairro do Pinheirinho, em São José dos Campos, no interior de São Paulo, que era ocupado por cerca de 2 mil pessoas.

 

Defesa

 

Em nota distribuída pela assessoria de imprensa da Secretaria mais tarde, Matarazzo, disse que "lamenta a agressão sofrida durante a entrega do maior museu de arte contemporânea da América Latina". De acordo com a nota, "no final da cerimônia, um pequeno grupo de manifestantes tentou impedi-lo (Matarazzo) de sair do local jogando objetos, com intimidação pessoal, hostilizando não apenas o Secretário, como visitantes e convidados, alguns deles idosos".

 

"Era um momento de festa para a cidade, (...) jamais esperava que politizassem o evento e não há como encarar o que ocorreu de outra forma: foram atos de truculência", escreveu o secretário na nota. "Fui agredido fisicamente durante a manifestação e esse é o limite da democracia, ninguém pode tirar o direito do outro de ir e vir, era apenas isso que eu tentava fazer", continuou.

 

Segundo Matarazzo, "essas pessoas (manifestantes) não têm a mínima noção do que é cidadania".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.