'Andar nos trilhos foi a solução'

O repositor Gustavo Marco, de 23 anos, estava preso em um dos trens parados quando ouviu de alguém do lado. "Tem gente andando no corredor."

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

05 Fevereiro 2014 | 02h01

Eram usuários de um vagão ao lado do seu, que não haviam aguentado o forte calor e acionaram os botões de emergência para abrir as portas. "Já tinha gente falando para apertar o botão, mas eu estava longe, nem sei fazer isso. Quando o pessoal viu a galera andando de fora, abriram as portas também", afirmou.

"Era um calor mais do que insuportável, a gente tinha ficado uns 20 minutos no trem parado. O piloto (maquinista). no rádio, tinha dito que estava aguardando a movimentação do trem à frente", disse.

A caminhada entre o ponto onde estava até a Estação Santa Cecília foi feita em meio a gritos das pessoas que estavam no túnel. Pediam pressa, segundo ele. "Havia umas placas indicando a distância para as estações. Tinha gente que queria correr, mas dava medo de levar choque", contou.

Ao chegar à Estação Santa Cecília, Marco subiu a plataforma por conta própria. "Tinha uma escadinha, mas afunilou muita gente." O rapaz mora em Itaquera, na zona leste, e disse que teria de tomar ao menos dois ônibus para chegar em casa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.