Anatole em São Paulo

Claude Lévi-Strauss, da Missão Francesa que fundou a Universidade de São Paulo, em 1934, e seu primeiro professor de Sociologia, recebeu num vilarejo do interior o abraço de um velho, que exclamava, emocionado: "Ah! O senhor é francês! Ah! A França! Anatole, Anatole!". Restos de Voltaire e de Anatole France na cultura brasileira e no fundo do sertão, diz ele em Tristes Trópicos. Lévi-Strauss não era francês, era belga.

José de Souza Martins, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2012 | 03h04

É compreensível que esses resíduos da presença cultural de Anatole France persistissem entre nós como memória de algo que queríamos ser e não éramos, naqueles primeiros anos da República. O escritor francês, que receberia o Prêmio Nobel de Literatura em 1921, ganhara a admiração, sobretudo, dos jovens estudantes da Faculdade de Direito de São Paulo por sua posição em favor dos direitos humanos. Ele apoiara o "Eu acuso!", de Émile Zola, e firmara a petição pela revisão do processo contra o Capitão Alfred Dreyfus, caluniado como espião alemão, por ser judeu, degradado e condenado à prisão perpétua na Ilha do Diabo, na Guiana Francesa.

Em 1909, Anatole France foi à Argentina para proferir cinco conferências sobre Rabelais. Visitou-o Alfredo Pujol, da Academia Brasileira de Letras, para uma longa conversa. Apesar de restrições no contrato com os argentinos, no retorno à França desceu no Rio e fez uma conferência no Teatro Municipal sobre "O positivismo e a paz do mundo".

Às 5h45 da tarde de 4 de agosto, Anatole France desembarcava triunfalmente na Estação do Norte, no Brás, do rápido que o trouxera do Rio. Bondes especiais levaram os estudantes para recebê-lo. Três milionários puseram à disposição da comissão organizadora da visita seus automóveis e um quarto suas frisas no Teatro Santana, na Rua Boa Vista, onde faria sua conferência. Hospedou-se na Rotisserie Sportsman, onde é o Prédio Matarazzo, hoje Prefeitura. No dia 5, atravessou o Viaduto do Chá a pé e foi visitar o Theatro Municipal, em obras, recebido por Ramos de Azevedo. Admirou a fachada e a escadaria de mármore e foi para o terraço, que dá para o Anhangabaú, para ver a cidade, que se perdia no horizonte do arrabalde. A roça ainda era relativamente perto do centro. Na noite de 7 de agosto, fez sua conferência sobre "Pierre Lafitte - Um filósofo de bom humor", uma coletânea amena e anedótica sobre o sucessor de Auguste Comte, pai do Positivismo.

Na manhã de domingo, dia 8, um seleto grupo levou-o em trem especial ao Alto da Serra, hoje Paranapiacaba, para um banquete no restaurante da estação, que seria destruída por um incêndio em 1981. Dela restam só a torre e o relógio. Naquela noite, ele voltaria ao Rio de Janeiro no trem da Central, onde embarcaria para a França. Um quarto de século depois, um fazendeiro do interior ainda se lembraria dele, cheio de admiração.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.