Analista é condenado a 9 anos por distribuir pornografia infantil

Na sentença, foi levada em conta a grande quantidade de material em posse do acusado - cerca de mil arquivos de foto e vídeo

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

09 de outubro de 2015 | 18h46

SOROCABA - A Justiça Federal condenou a nove anos de prisão em regime fechado um analista de sistema que armazenava e compartilhava material pornográfico envolvendo crianças e adolescentes, em Campinas, interior de São Paulo. Na sentença, divulgada nesta sexta-feira, 9, foi levada em conta a grande quantidade de material em posse do acusado - cerca de mil arquivos de foto e vídeo, muitos contendo cenas com crianças de pouca idade. O nome do acusado, que ainda pode recorrer da decisão, não foi divulgado. 

A denúncia foi oferecida em 2002 pelo Ministério Público Federal. As autoridades chegaram ao suspeito após alertas da Interpol do Reino Unido. O órgão da polícia internacional criminal havia rastreado endereços de brasileiros na internet que acessavam uma sala de bate-papo virtual para troca de imagens de abuso sexual infantil. 

As investigações levaram a polícia ao analista de sistemas que, na época, morava em Americana. Ele foi condenado com base no Estatuto da Criança e do Adolescente, que condena aquisição, armazenamento e distribuição de imagens com cenas de sexo envolvendo pessoas menores de 18 anos. O acusado deve iniciar o cumprimento da pena em regime fechado. Ele também foi condenado a pagar multa de três salários mínimos.

Tudo o que sabemos sobre:
pornografia infantil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.