Analista corria no local havia 30 anos

O analista de sistemas Alvaro Teno era um veterano em corridas e figura conhecida entre os atletas que treinam na Cidade Universitária da Universidade de São Paulo (USP), na zona oeste. Aos 67 anos, ele frequentava as ruas do câmpus havia mais de 30 anos.

O Estado de S.Paulo

17 Agosto 2014 | 02h04

Um de seus três filhos, o administrador Adolfo Martins Teno, de 35 anos, disse que o pai era "fanático" por corrida. "Desde moleque eu via meu pai tentando levar os outros para correr", contou ele na tarde de ontem, durante o registro da ocorrência do atropelamento que matou Teno. Na página do analista no Facebook há algumas fotos dele correndo maratonas.

Em 2012, o maratonista contou à reportagem do Estado que já havia participado de nove provas de corrida. Nos fins de semana em que não estava em uma competição, costumava treinar na USP ou no Clube Paineiras do Morumby - do qual era associado havia mais de 25 anos. "Pratico o pedestrianismo há 34 anos", contou ele, na ocasião. "Quando a soma dos quilômetros percorridos por mim totalizou duas voltas completas na Terra, em 2004, parei de anotar no meu caderninho", completou ele, que posou para a foto fazendo o que mais gostava: correndo.

Treino. A revista Isto É também entrevistou o corredor. À publicação contou que ele fazia cursos na USP para entender os efeitos da velhice e ajudar no planejamento de exercícios. "Treino uma hora por dia, seis dias por semana. Faço musculação e esteira, entre outras atividades, para preparar todo o corpo", contou.

Teno morava no bairro do Jardim Peri Peri, na zona oeste, próximo à USP. Segundo Adolfo, ele e seus dois irmãos já não moravam com ele. "Minha mãe é quem está sentindo mais. Os filhos tinham saído de casa, e eles viviam só os dois. Vamos ver como ela vai reagir agora", disse ele. / P.S.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.