ANÁLISE: Recursos poderiam ir para o metrô

Análise: Creso de Franco Peixoto

É PROFESSOR DE ENGENHARIA DA FEI, O Estado de S.Paulo

05 Outubro 2011 | 03h03

Qualquer intervenção que envolva transporte público em regiões de média e alta densidade demográfica é sempre boa. O que é preciso ver, num caso como o do monotrilho no Morumbi, é o custo dessa obra por quilômetro. Se for muito parecido com o do metrô, por que não fazer o metrô? A justificativa é o preço. É preciso levar em conta que, se o Morumbi tem uma densidade populacional menor do que a média da cidade, nos bairros seguintes essa densidade explode.

A informação de que há destinação de recursos para obras viárias, que privilegiam o transporte individual, nos faz pensar se a cidade resolveu encarar a solução para o problema do trânsito, que é mais metrô. É preciso pensar em quantos quilômetros de transporte sobre trilhos poderiam ser feitos com os recursos destinados a essa avenida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.