TIAGO QUEIROZ/ESTADãO
TIAGO QUEIROZ/ESTADãO

Análise: Para tucanos, Bruno Covas tem de focar gestão para ter chances

Para ficar no básico, há graves problemas de zeladoria na capital, dos mais simples, como a falta de poda do mato, aos mais complexos, como a segurança de pontes e viadutos

Alberto Bombig, O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2019 | 03h00

É consenso entre os líderes mais experientes do PSDB paulista que, se Bruno Covas quer chegar com alguma chance de vitória na eleição do ano que vem, precisa ter neste momento uma única prioridade: administrar São Paulo, manter foco total na gestão, 24 horas trabalhando para recuperar o que está ruim. Mais Prefeitura e menos viagens, resume um deles.

Para ficar no básico, há graves problemas de zeladoria na capital, dos mais simples, como a falta de poda do mato, aos mais complexos, como a segurança de pontes e viadutos. Nas áreas de Saúde e Educação, a atual gestão também patina e não encontra soluções para minimizar o sofrimento de sempre: filas em postos, falta de vagas em creches, ausência de médicos e por aí vai. Uma vez melhorado o que está ruim, Bruno precisaria criar uma marca forte de sua gestão. Gilberto Kassab tinha o Cidade Limpa; Fernando Haddad, a mobilidade urbana; Marta Suplicy, o bilhete único, só para ficar nos mais recentes. O atual prefeito, até agora, faz alguns ensaios, mas ainda não definiu um rumo autoral para seu mandato, avaliam os tucanos. 

Sem esses dois movimentos, que seriam “para ontem”, o neto de Mário Covas (1930-2001) corre o risco de terminar a gestão como um dos prefeitos mais mal avaliados da história, arrisca um cacique do partido. Mas essa receita dos caciques bastaria para Bruno Covas chegar forte à disputa pela reeleição? Não, e aí a culpa não é dele, mas dos autores do receituário.

Os tucanos estão desgastados e sem discurso. O PSDB vive uma crise de identidade, imprensado à direita pelo PSL de Jair Bolsonaro, à esquerda pelo PT e sem contundência nem programas capazes de atrair para o partido o eleitorado de centro. A votação de Geraldo Alckmin na eleição presidencial na capital paulista é a prova cabal disso. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.