Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Análise: 'Não adianta um PM por escola, mas ouvir pedidos de socorro'

Precisamos conversar com as crianças sobre seus medos e inseguranças

Luciene Togneta*, O Estado de S.Paulo

15 de março de 2019 | 03h00

Nos assusta ver como a escola pode ser violenta. Muitas vezes se entende como um local de aprendizado meramente conteudista, de Português e Matemática. Se esquece de que, antes de tudo, o primeiro papel é o de formar cidadãos. Infelizmente, o que temos visto é que a escola, como instituição, não tem alcançado isso. 

Os jovens que promoveram essa barbárie, com certeza, tinham inúmeros problemas, que ainda e talvez nunca iremos saber. O que sabemos com certeza é que não sabiam lidar com a dor nem a quem e como pedir ajuda.

É importante não tentar jogar para debaixo do tapete. Os alunos, as crianças, tiveram contato com o que aconteceu e precisamos conversar com elas sobre isso. Perguntar o que sentiram, seus medos e inseguranças. É o único modo de evitar novas tragédias: ensinar a pedir ajuda e a ouvir pedidos de socorro. Não adianta colocar um policial na porta de cada escola.

*É ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO DA UNICAMP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.